Classificados: Ipu Notícias e Netcina estão em parceria para lançar no mercado virtual uma nova opção de compra e venda destinada a lojistas, empresários, corretores, acionistas e consumidores em geral, é a página "Classificados".
VC Repórter! Participe pelo Whatsapp: +595.986.218.721 - Envie notícias, fotos, áudios e vídeos... WhatsApp: +595.986.218.721 ou e-mail: Netcina@hotmail.com

Cenas Fortes (+18): Calcanhar de Maracujá: Trata-se de uma doença horrível

Data: domingo, 20 de janeiro de 2013 | Horário: 18:30

"Calcanhar de Maracujá" é o nome popular de uma doença conhecida por "Miíase". Embora essa doença se refira ao calcanhar pode ocorrer em qualquer parte do corpo. A doença é causada pela infestação de larvas provenientes de moscas “varejeiras”. As moscas se alojam na pele ou nas mucosas, em algum ferimento que pode ser de qualquer tamanho, provocando ulcerações. As larvas das moscas, então, se reproduzem no tecido necrosado se desenvolvendo aí.

O Netcina já falou sobre este assunto no artigo: Você sabe o que é Miíase? É bom saber!

O nome se deve à aparência esbranquiçada com a ponta preta dos vermes que estão no calcanhar, que se assemelham a sementes de maracujá. Nos casos mais graves da doença, o calcanhar pode chegar a ficar com uma abertura de aproximadamente cinco centímetros, com as bordas arredondadas, similar à metade de um maracujá.



A Miíase pode ser, ainda, de tipo primário ou secundário. Na miíase primária, a larva invade o tecido sadio e nele se desenvolve. Essa infestação é conhecida popularmente pelo termo “berne”. Na miíase secundária, a mosca deposita os ovos em ulcerações ou mucosas e sedesenvolvem no tecido necrosado.

O Calcanhar de Maracujá é um tipo de miíase que ocorre nos calcanhares. As larvas invadem essa região através de algum ferimento e se reproduzem provocando a degradação do tecido saudável. 


Veja também: Vídeo paciente sendo curada com novo tratamento

A profilaxia dessa doença consiste em prevenir e erradicar as moscas adultas antes que possam causar qualquer dano (esse método é chamado de controle de vetores); e no tratamento, uma vez que a infestação está presente e ameaça constantemente a saúde dos infectados. As larvas devem ser eliminadas por meio de pressão ou uso de fórceps e a ferida deve ser limpa e desinfectada. É necessário ficar atento e fazer um controle mesmo após findada a doença, para evitar reinfestação posterior.




GOSTOU? CURTA NOSSA PÁGINA. OBRIGADO PELA VISITA!