Três slides exclusivos para divulgar sua marca ou empresa. Link para sua matéria ou site e um letreiro informativo do produto. CONTATOS: WhatsApp +591.6584.8468 ou E-Mail: Netcina@hotmail.com
VC Repórter! Participe Pelo WhatsApp: +591.6584.8468 - Envie Notícias, Fotos, Áudios e Vídeos... WhatsApp: +591.6584.8468 ou E-Mail: Netcina@hotmail.com

TRIGLICERÍDEOS: O que são? O que causa triglicerídeos altos?

Data: sexta-feira, 16 de novembro de 2012 | Horário: 11:55

Os triglicerídeos, também chamados de triglicérides ou triglicéridos, são as principais gorduras do nosso organismo e compõem a maior parte das gorduras de origem vegetal e animal. Os triglicerídeos presentes no nosso corpo podem ser adquiridos através da alimentação ou produzidos pelo nosso próprio organismo pelo fígado. Os triglicérides são importantes, pois servem como reserva energética para os momentos de jejum prolongado ou alimentação insuficiente. Quando há um excesso de triglicerídeos circulando no sangue, damos o nome de hipertrigliceridemia. Saiba mais detalhes.

Neste artigo vamos explicar os triglicerídeos e a hipertrigliceridemia, abordando os seguintes pontos:

O que são os triglicerídeos.
Níveis sanguíneos adequados de triglicerídeos.
Causas de hipertrigliceridemia.
Dieta e triglicerídeos.
Sintomas dos triglicerídeos altos.
Complicações da hipertrigliceridemia.
Tratamento para baixar os triglicerídeos.

O que são os triglicerídeos?

Os triglicéridos são a forma de gordura mais comum no nosso corpo, sendo usados ​​para fornecer energia para o organismo. Quando a quantidade de triglicérides está elevada, eles são armazenados nos tecidos adiposos (tecidos gordurosos) para o caso de serem necessários no futuro. Quando você desenvolve aquelas gordurinhas pelo corpo, como nos quadris ou na barriga, você está na verdade armazenando os triglicérides que estão em excesso.

Os triglicéridos estão presentes em vários alimentos comuns da nossa dieta, mas a maior parte costuma ser produzida pelo nosso fígado. Quando comemos carboidratos em excesso (doces, massas, pães, etc.), o fígado pega esses açúcares a mais e os transforma em triglicerídeos, para que eles possam ser estocados nos tecidos adiposos, servindo como reserva energética.

Os triglicerídeos viajam pela corrente sanguínea acoplados a uma proteína chamada VLDL, uma lipoproteína semelhante ao HDL e LDL que transportam o colesterol pelo sangue.

Níveis sanguíneos de triglicerídeos

Como veremos adiante, excesso de triglicerídeos no sangue está associado à deposição de gorduras nos vasos e aterosclerose, aumentando o risco de doenças cardiovasculares.

Todo indivíduo acima dos 20 anos deve medir seus níveis de colesterol e triglicerídeos pelo menos uma vez a cada 5 anos. Em relação aos níveis sanguíneos de triglicérides, classificamo-nos assim:

Normal - abaixo de 150 mg/dL.
Moderado - entre 150 e 199 mg/dL.
Alto - entre 200 e 499 mg/dL.
Muito alto - maior ou igual a 500 mg/dL.

O que causa triglicerídeos altos?

Os níveis de triglicerídeos podem se elevar por vários motivos. Algumas pessoas apresentam alterações genéticas que predispõem à hipertrigliceridemia, outras desenvolvem triglicerídeos altos secundariamente a uma dieta hipercalórica ou à presença de determinadas doenças. Entre as condições que mais frequentemente provocam hipertrigliceridemia estão:

- Obesidade.
- Diabetes mellitus.
- Hipotireoidismo.
- Insuficiência renal crônica.
- Síndrome nefrótica.
- Dieta hipercalórica.
- Consumo excessivo de álcool.
- Gravidez.

O uso regular de alguns medicamentos também pode provocar um aumento dos triglicerídeos:

- Tamoxifeno.
- Corticoides.
- Betabloqueadores (propranolol, atenolol, carvedilol, bisoprolol, metoprolol...)
- Diuréticos.
- Anticoncepcionais.
- Ciclosporina.
- Antirretrovirais.
- Isotretinoína (Roacutan).

O aumento dos triglicerídeos pode ou não vir acompanhado de alterações no colesterol. As duas situações mais comuns são triglicerídeos e LDL (colesterol ruim) elevados ou triglicerídeos elevados e HDL (colesterol bom) baixo. A elevação isolada dos triglicérides, sem alterações do colesterol não é muito comum.

Existem algumas formas de hipertrigliceridemia familiar, que são alterações de origem genética, que fazem com que o paciente produza triglicerídeos em excesso, independentemente da sua dieta. Nestes caso é possível que o paciente apresente níveis graves de triglicerídeos, às vezes acima dos 1000 mg/dL.

Dieta e triglicerídeos

Uma dieta rica em gorduras saturadas e carboidratos é uma importante fator de risco para hipertrigliceridemia. Pessoas com triglicerídeos elevado devem evitar o consumo regular de:

- Refrigerantes ou qualquer outra bebida rica em açúcar.
- Bebidas alcoólicas.
- Doces.
- Chocolate.
- Pão.
- Biscoitos.
- Massas.
- Pizzas.
- Batata.
- Sorvetes.
- Frozen yogurt.
- Tortas.
- Bolos.
- Leite integral.
- Frituras.
- Queijos gordurosos.

Quando for comprar comida, procure ler as informações nutricionais no verso de cada alimento e evite produtos ricos nos seguintes açúcares:

- Sacarose
- Glicose
- Frutose
- Xarope de milho
- Maltose
- Melaço

A lista de alimentos acima está longe de ser completa. Qualquer alimento rico em carboidratos e/ou gorduras saturadas pode causar aumento dos triglicerídeos. Mais à frente, na parte de tratamento da hipertrigliceridemia, daremos algumas dicas sobre a dieta para baixar os triglicerídeos.

Sintomas dos triglicerídeos altos

Xantomas e xantelasma
Via de regra, a hipertrigliceridemia não provoca sintomas. É impossível saber se seus triglicerídeos estão altos ou baixos sem realizar exames de sangue.

Pacientes com as formas familiares de hipertrigliceridemia, geralmente com valores de triglicérides cronicamente acima dos 500mg/dL, podem apresentar xantomas, que são depósitos subcutâneos de colesterol sob a forma de nódulos ou placas amareladas, que ocorrem frequentemente nas palmas, ao redor dos olhos, nos pés ou nas articulações.

Consequências da hipertrigliceridemia

Embora a relação entre triglicérides altos e risco cardiovascular tenha sido questionada no passado, com os atuais estudos tornou-se claro que pacientes com hipertrigliceridemia apresentam um maior risco de desenvolver doenças cardiovasculares, particularmente doenças coronarianas. Permanece incerto, porém, se esta associação é causada diretamente pelos triglicerídeos altos ou por outros fatores associados à hipertrigliceridemia, como obesidade, diabetes e níveis elevados de colesterol LDL e níveis baixos de colesterol HDL.

Níveis elevados de triglicerídeos também estão associados a um maior depósito de gorduras no fígado, provocando uma alteração conhecida como esteatose hepática.

Quando os valores dos triglicéridos estão acima de 1000mg/dL, o paciente pode apresentar um quadro de pancreatite aguda.

Tratamento da hipertrigliceridemia

O principal objetivo do tratamento da hipertrigliceridemia é reduzir o risco de doenças cardiovasculares. Ainda não se sabe se a simples redução dos valores dos triglicérides é suficiente para obter estes resultados. Por isso, o manejo da hipertrigliceridemia deve sempre incluir modalidades de tratamento que sabidamente são benéficas para pacientes com alto risco cardiovascular, como dieta balanceada, prática de exercícios físicos, perda de peso, controle do diabetes e controle do colesterol LDL e HDL.

Dieta para baixar os triglicerídeos

Em relação à dieta, como já referido anteriormente neste texto, pacientes com triglicerídeos elevados devem evitar alimentos ricos em carboidratos e gorduras. Dê preferência a alimentos ricos em fibras, peixes e alimentos ricos em gordura insaturada e pobre em gordura saturadas. Escolha pães, biscoitos e cereais que contenham aveia, grãos integrais, cevada, milho, arroz ou trigo como primeiro ingrediente. Dê preferência ao arroz integral e às massas à base de trigo integral. Nas bebidas, evite o álcool e prefira os refrigerantes diet. O leite deve ser desnatado.

Quando pensamos em baixar o colesterol LDL o mais importante é evitar alimentos gordurosos. Quando pensamos em baixar os triglicerídeos, limitar o consumo de carboidratos e calorias é o mais efetivo.

Remédios para baixar os triglicerídeos

Nos pacientes com triglicerídeos acima de 200 mg/dL, o tratamento com medicamentos deve ser considerado. É importante destacar que o uso de remédios para controlar a hipertrigliceridemia de modo algum exclui a necessidade do paciente mudar hábitos de vida. Se não houver controle na dieta, perda de peso, controle do diabetes e aumento da carga de exercícios físicos, o beneficio do tratamento farmacológico ficará muito aquém do desejado.

Se além da hipertrigliceridemia o paciente também tiver níveis elevados de colesterol, o uso das estatinas, como Sinvastatina, Pravastatina, Rosuvastatina ou Atorvastatina pode ser útil. Estas drogas agem mais sob o colesterol, mas também tem algum efeito sobre os níveis de triglicérides.

Os fibratos (Gemfibrozil ou Fenofibrato) são drogas mais específicas para reduzir níveis de triglicerídeos, podendo alcançar reduções de até 70% em alguns casos. Estas drogas, porém, não agem sobre os valores de colesterol. Se houver necessidade de associar uma estatina a um fibrato, o Fenofibrato deve ser a droga de escolhe pois apresenta menos riscos de interação medicamentosa.

Suplementos ricos em óleo de peixe (ômega 3) também são efetivos para redução da hipertrigliceridemia. Para haver efeito, as doses devem ser elevadas, acima de doses 3 gramas por dia de ácido eicosapentaenoico/ácido docosaexaenoico (EPA/DHA), o que significa pelo menos 4 cápsulas por dia. Alguns pacientes não toleram doses muito altas de óleo de peixa, apresentando diarreia e cólicas abdominais.

Fonte: Dr. Pedro Pinheiro / MDSaúde

SIGA-ME NO TWITTER: @Netcina

ATENÇÃO: 
O Netcina é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

COMENTÁRIOS: Para que o seu comentário seja aceito, não use de xingamentos e calunias.

PARTICIPE DO NETCINA: Fale sobre qual assunto você gostaria que fosse publicado.