Pai vai à Venezuela em busca de filho piloto após abater de avião

O pai do amazonense Klender Hideo, de 24 anos, viajou até Caracas nesta quinta-feira (28) para descobrir o paradeiro do filho. Segundo João Marcos da Silva, tio de Klender, o rapaz é piloto e o documento e a bolsa dele teriam sido encontrados onde caiu o avião brasileiro abatido na Venezuela no domingo (24). 

No entanto, ainda não há confirmação de que Klender estaria entre as vítimas.

A família do jovem vive em Manaus e há dias não consegue entrar em contato ele. Segundo o Ministério das Relações Exteriores da Venezuela, a aeronave modelo EMB-820C foi abatida quando sobrevoava a cidade de Puerto Ayacucho.

Restos mortais, drogas e documentos de dois jovens foram encontrados junto aos destroços da aeronave. Com base na documentação encontrada no local, autoridades daquele país afirmam que o piloto seria Klender. O outro ocupante seria Fernando Cesar Silva da Graça, de 19 anos, também brasileiro. Informações desencontradas

Em Manaus, familiares tentam saber o paradeiros dos jovens em meio a informações desencontradas. "O documento e a bolsa [encontrados] são dele [Klender]. Não temos a certeza de que ele morreu, porque alguns sites venezuelanos dizem que o corpo não foi encontrado, outros veículos [de comunicação] dizem que o corpo dele foi carbonizado", afirma João Marcos. "Também disseram que o documento foi encontrado no bolso dele, mas como o documento não está queimado se o corpo foi carbonizado? A droga também estava intacta. Dizem que morreram, mas não mostraram os corpos. A gente está com esperança, acreditando em um milagre", disse o tio de Klender.

Sem notícias do filho, a mãe de Klender está debilitada, segundo o tio. "A família quer ver o corpo dele. A mãe dele está muito mal, não quer comer. Ontem [quarta-feira], ela teve alucinações. Está difícil", afirmou João Marcos.

Reconhecimento


Cleiton Castro, irmão de Fernando, diz que a família está mobilizada para obter informações oficiais sobre o caso. Segundo ele, o Consulado da Venezuela ajudou a família a fazer contato com o Consulado brasileiro em Caracas. "As informações do Itamaraty e dos dois consulados são iguais.

Eles informaram que os corpos estão em um hospital de Valência, mas não confirmaram que é o meu irmão. Pediram para que eu vá até lá para fazer o reconhecimento porque, pelo que disseram, eles estão carbonizados", disse Cleiton.

Entenda o caso


Um avião que teria saído do Brasil foi abatido na Venezuela no domingo e causado a morte de dois brasileiros. Conforme portais de notícias venezuelanos, foram encontrados mais de 600 pacotes de cocaína no local em que a aeronave caiu.

Segundo o Itamaraty, a Embaixada do Brasil em Caracas foi informada do ocorrido pelo Escritório Nacional Antidrogas (ONA), responsável pelo abatimento da aeronave.

Uma publicação do Ministério do Poder Popular para Relações Interiores, Justiça e Paz da Venezuela (MPPRIJP) afirma que o Comando de Defesa Aeroespacial Integral detectou a aeronave voando ilegalmente e, em seguida, teria deslocado aviões de caça para abordar a aeronave.

De acordo com o Ministério venezuelano, os tripulantes não responderam às tentativas de comunicação feitas pelas Forças Armadas, o que levou ao abate. O avião estava com falso registro venezuelano, afirmou o governo.


Fonte: G1

GOSTOU? CURTA NOSSA PÁGINA E FAÇA UM COMENTÁRIO!
Compartilhar no G+