Estados Unidos inaugura "Primeira Igreja do Cannabis"

Foi inaugurada no estado de Indiana, nos Estados Unidos, a primeira Igreja do Cannabis. A religião agora convencional foi fundada por Bill Levin, autointitulado "ministro do Amor", e tem na maconha seu "sacramento".

Baseada em “amor e compreensão com compaixão por todos”, a religião teve registro aprovado pelo estado norte-americano e conta até mesmo com isenção fiscal.

A legitimidade da mesma foi justificada por uma polêmica lei assinada pelo governador de Indiana, Mike Pence, na última terça-feira, 26.

Inicialmente, foi assinado, em março de 2015, o "Religious Freedom Restoration Act (RFRA)" ("Ato de Restauração da Liberdade Religiosa", em tradução livre), que permitia que empresas e indivíduos se negassem a oferecer serviços para gays, mediante a apresentação de motivos ou valores religiosos, sem arcar com consequências jurídicas.

Possível erro


De acordo com O Globo, a papelada para aprovação do RFRA poderia estar misturada com a aprovação da igreja, levando os parlamentares a aprovar inadvertidamente a nova religião alternativa.

Levin, por sua vez, não perdeu tempo com as polêmicas e tratou de agilizar a fundação de sua religião, divulgando por meio do Facebook uma lista de 12 mandamentos da primeira Igreja do Cannabis.

“Ria mais, compartilhe humor”, “Não seja um troll na internet” e “Gaste pelo menos dez minutos por dia contemplando a vida em um espaço silencioso” são alguns deles.

Apesar da legalização da religião, a comercialização de maconha em Indiana continua proibida, ao mesmo tempo em que a igreja incentiva o cultivo e compartilhamento da erva.

"Dízimo"

A igreja do Cannabis também tem "dízimo" e já recebeu várias doações que serão usadas para alugar um espaço onde os rituais devem acontecer, segundo afirma o "ministro do Amor". O primeiro dia oficial de atividade da igreja será em 1º de julho, mesmo dia em que o Ato de Restauração da Liberdade Religiosa entra em vigor.

Fonte: Uol

GOSTOU? CURTA NOSSA PÁGINA E FAÇA UM COMENTÁRIO!
Compartilhar no G+