Inusitado: O cemitério feliz que fica na Transilvânia terra lar de Draculla

Sapanta, uma remota aldeia na Transilvânia ficou famosa por seu cemitério. 

O que torna este local tão diferente dos demais de sua natureza é o fato de que nesta cidade o cemitério não é um local triste, com flores mortas, ar obscuro e lápides cinza.

O cemitério de Sapanta ganhou destaque por ser um local colorido e feliz. 

A felicidade atribuída ao lugar é percebida pelas cores fortes que compõem as pinturas que representam os falecidos.

O povo local tem por costume relatar a vida do parente que morreu através de imagens coloridas e poesias. O costume teve início com Ioan Stan Patras em 1935. De acordo com Christine Popp do New York Times, todos os membros da comunidade são mantidos vivos por meio das pinturas e dos epitáfios.

As representações chegam a ter até cinco metros de altura. A imagem do falecido ocupa a posição central em um universo de cores com significados bem específicos: o azul significa esperança e liberdade, o amarelo indica fertilidade, o verde está relacionado com a vida, o vermelho representa as paixões e o preto está associado com a morte inesperada.


As cores também contam um pouco da história de vida dos falecidos. Uma lápide com mais vermelhos mostra que a pessoa tinha paixão pela vida, já muito amarelo indica que o indivíduo deixou vários descendentes. 


As pinturas retratam cenas da vida cotidiana dos membros da comunidade, como um homem em um trator ou uma mulher batendo um tapete.


A vila apresenta cerca de 10 mortes por ano e os familiares destas pessoas dão continuidade a esta tradição peculiar que valoriza o trabalho artesanal e a vida dos que já habitaram aquele local.

Fonte: Mirror

GOSTOU? CURTA NOSSA PÁGINA E FAÇA UM COMENTÁRIO!
Compartilhar no G+