EI força adolescentes a decapitarem bonecos como parte de treinamento

Centenas de crianças e adolescentes da minoria yazid raptados pelo Estado Islâmicos estão sendo obrigadas a praticar técnicas de decapitação em bonecos como parte de um programa de radicalização. 

O objetivo dos jihadistas é criar a próxima geração de extremistas nas vastas áreas de território controlados do Iraque e da Síria.

Segundo relatos de adolescentes, que falaram à AP, cerca de 120 jovens foram obrigados a assistir vídeos de decapitações e foram avisados que iriam realizar tarefas parecidas em algum momento. Enquanto esse dia não chega, ele foram forçados a praticar a técnica com bonecos.

- Então eles me ensinaram como segurar a espada e me disseram como bater. Eles me falaram disseram que eram cabeças dos infiéis - disse Yahya, renomeado por seus captores.

Ele e sua família foram raptados quando o Estado Islâmico tomou a cidade iraquiana de Sulagh, em agosto do ano passado. Em seguida, eles foram levados para Raqqa na Síria, no campo de treinamento para meninos de Farouq, onde adolescentes são forçados a se converter ao islamismo e doutrinados para se tornar combatentes jihadistas.

Yahya contou que recebeu um novo nome para substituir o seu curdo. No campo, onde ele passou cinco meses treinando entre 8 e 10 horas por dia e estudando o Corão, disseram ao jovem que os yazidis eram sujos e mereciam morrer.

Em um vídeo divulgado na semana passada pelo Estado Islâmico, um menino foi mostrado decapitando um soldado sírio sob supervisão de um adulto. No mês passado, outro 25 crianças-soldados apareceram disparando contra soldados sírios.

De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, pelo menos 1.100 crianças com menos de 17 sírios se juntaram ao grupo terrorista no ano passado. Cerca de 52 Acredita-se que foram mortos nos combates. Pelo menos oito eram homens-bomba.

Fonte: Yahoo

GOSTOU? CURTA NOSSA PÁGINA E FAÇA UM COMENTÁRIO!
Compartilhar no G+