PSDB no governo deixaria Lula livre para fazer oposição e ser fortalecido para 2018

É nítido o medo que a oposição sente o ex-presidente Lula da Silva, pois o petista não é um simples candidato para 2018, trata-se do melhor presidente da história do Brasil e que tem uma grande influência no cenário mundial.

Ciente do poder que tem o ex-presidente Lula, o senador Aloysio Nunes (PSDB), vice na chapa de Aécio Neves (PSDB) em 2014, defende cautela sobre o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) e evita até comparações com o ex-presidente Collor.

"Collor era um político sozinho, sem partido, e teve um comportamento pessoal chocante como presidente. Era um personagem burlesco no poder. Dilma tem respeitabilidade pessoal, tem um partido e tem o apoio de movimentos sociais", declarou Aloysio.

Segundo o tucano, existe uma radicalização contra o governo do PT que chega a ser preocupante, pois joga o país num ambiente de instabilidade.

"Esses processos demoram, geram tensionamento. Pode haver um desdobramento dramático", alerta o tucano. "O clima de radicalização é preocupante. O Lula vai tentar mobilizar esse pessoal [dos movimentos sociais], e a Dilma dá a impressão de que não vai se render facilmente. Ela vai brigar, vai lutar pelo mandato", ressaltou o tucano.

Em sua entrevista ao colunista da Folha, Bernardo Mello Franco, o tucano deixou claro o medo de enfrentar Lula na oposição e em 2018. Aloysio diz que a oposição deve refletir sobre as consequências de um afastamento da presidente. "Talvez seja o ideal para o Lula. A gente entra no governo, e ele fica livre para fazer oposição e sair candidato em 2018", afirmou o temeroso senador tucano Aloysio Nunes.

Com o modo do PSDB de governar o país e com o jeito playboy e inconsequente de Aécio Neves, não demoraria muito para o povo brasileiro perceber que eles não sabem governar e que o tão prometido "choque de gestão" de Aécio seria pior de que o ocorrido em Minas Gerais. Assim Lula cresceria facilmente na oposição e colocaria o PSDB no chinelo em 2018.

Vale ressaltar os escândalos que envolvem os tucanos, até mesmo o próprio Aloysio Nunes que foi apontado pelo empreiteiro Ricardo Pessoa, delator da Lava Jato, como destinatário de dinheiro de caixa dois. Ele sustenta que só recebeu doações legais e afirma viver uma "situação kafkiana". "É absurdo imaginar que eu tivesse influência na Petrobras. Seria um crime impossível", diz o senador.

As explicações de Aloysio sobre a Lava Jato não são convincentes, pois a corrupção na Petrobras não é exclusividade de políticos ou pessoas ligadas ao governo do PT. Os esquemas aconteciam em todos os governos estaduais que envolviam as empreiteiras que são suspeitas. Muitos desses governos estaduais eram governados ou ligados a oposição. Vale ressaltar ainda que a maioria dos investigados são da oposição e não do PT. Também é digno de nota que a campanha de Aécio Neves recebeu 26% a mais das grandes empreiteiras da Lava Jato de que a campanha de Dilma Rousseff.

A melhor saída para a oposição, é deixar Dilma no governo e a oposição fazer de tudo para atrapalhar, pois até mesmo, o senador Aécio, em ato falho, revelou que o "PSDB é o maior partido de oposição ao Brasil". É melhor a oposição fazer a política do "quando pior, melhor" para enfrentar Lula em 2018, sendo desgastado pelo governo Dilma, de quer a oposição assumir o governo e enfrentar Lula na oposição fazendo críticas aos seus adversários, pois assim Lula cresceria muito mais, pois Lula sabe fazer oposição melhor de que situação.

GOSTOU? CURTA NOSSA PÁGINA E FAÇA UM COMENTÁRIO!
Compartilhar no G+