Combinado: Eduardo Cunha fecha com PSDB o impeachment de Dilma

Segundo o Jornal O Estado de S. Paulo, duas fontes que participaram de uma reunião realizado nesta segunda-feira (03/08) entre o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e seus aliados do PSDB, DEM e Solidariedade, afirmaram que foi discutida a possibilidade de uma manobra para pautar um pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff (PT).

Aquilo que a oposição não conseguiu democraticamente, ou seja, no voto popular através da vontade da maioria do povo brasileiro, durante as eleições de 2014, será tentado da forma mais baixa, deprimente e vergonhosa, mas digna de pessoas que estão na orquestração de um impeachment sem precedentes na história, somente com base nas chamadas "pedaladas ficais", uma manobra considerada irregular por atrasar propositalmente o repasse de dinheiro a bancos e autarquias, com isso, omitisse ao mercado financeiro e aos especialistas a real situação do saldo de suas Contas do Governo, mas que foi praticada e utilizada por todos os ex-presidentes e que nunca trouxe problemas para eles.

Ainda vale ressaltar que o relator do processo que analisa as contas de 2014 da presidente Dilma Rousseff no Tribunal de Contas da União, ministro Augusto Nardes, já aprovou prática semelhantes às chamadas "pedaladas fiscais", durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2008. (Veja Aqui).

Ainda de acordo com o Jornal O Estado de S. Paulo, o combinado entre os golpistas seria a possibilidade de que, após o TCU (Tribunal de Contas da União) encaminhar seu parecer sobre as Contas de Governo de Dilma, que eles esperam ser desaprovados, o presidente da Câmara, Cunha entraria em ação com o plano sórdido para rejeitar o pedido de abertura de processo de impeachment, mas a oposição apresentaria um recurso, que seria votado e aprovado, garantindo a votação do impedimento da presidente Dilma.

GOSTOU? CURTA NOSSA PÁGINA E FAÇA UM COMENTÁRIO!
Compartilhar no G+