Ipu (CE): Dona Branca, uma mestra da cultura popular

Dona Branca, por enquanto, a única Mestra da Cultura do município de Ipu, foi consagrada em 2005 com tal honroso título. Ela representa exemplarmente o município com o saber de sua Arte em Cerâmica; quer seja na própria terra natal ou mesmo quando participa eventualmente dos Encontros de Mestres do Mundo, por exemplo, o VIII Encontro Mestres do Mundo, com o tema - Chão sagrado do belo amor, ocorrido na cidade do Crato, região do Cariri.

Dona Branca é orgulho para o Ipu, para o Estado e quiçá para o mundo; pois além de uma grande profissional da arte popular, no seu caso, como louceira da arte do artesanato; também é um exemplo de ser humano: trabalhadora, humilde e digna.

Essa grande mulher ipuense, pratica e transmite com grande saber a arte da cerâmica à várias gerações. Completa neste ano de 2015, 10 anos que a mesma recebeu do governo do estado, o merecido título de Mestra da Cultura Popular.

Em um relato mais amiúde quanto ao seu histórico de vida, temos que: “Dona Branca nasceu em 1941, no Bom Jesus (Ipu), filha de Antonio Alves Pereira e Niza Irene de Paiva, veio para a Alegria aos cinco anos de idade. Dona Branca começou a fazer louça aos dez anos, iniciada pela avó materna Raimunda Alves de Sousa, escondida, “para não levar uma surra”, pois o pai não queria que a filha trabalhasse, mas com o passar do tempo viu que o ofício de Dona Branca poderia ajudar na renda familiar e começou a comercializar as louças de Dona Branca por toda a região, inclusive na feira de Ipu”. (Prof. Francisca Ferreira).

Portanto, o Governo Municipal, prefeito Sérgio Rufino; através da Secretaria de Cultura, secretária municipal Sônia Pontes, parabeniza D. Branca, por seu talento e luta como representante da arte popular.

Fonte: Secretaria Municipal de Cultura

GOSTOU? CURTA NOSSA PÁGINA E FAÇA UM COMENTÁRIO!
Compartilhar no G+