Ao lado de Camilo e aliados, RC se filia ao PDT que já conta com 64 prefeitos

Em 2014, o Pros, partido recém-criado, transformou-se em uma potência, com 66 prefeituras, comandando 35,86% dos 184 municípios do Estado. Em seguida, aparecia PT com 29 prefeituras, PSD com 26, e PMDB com 22. O PDT estava com 08 prefeituras no Ceará.

Em 2015, o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, e outros 63 prefeitos do interior do Estado se filiaram ao PDT. O evento de filiação, realizado no Hotel Praia Centro, reuniu dezenas de aliados, como o governador Camilo Santana (PT), partidos da base de sustentação do grupo no Ceará, além de lideranças locais e de outros Estados.

Com o ato, o prefeito de Fortaleza inicia sua preparação para o processo eleitoral que se avizinha, buscando garantir sua reeleição. No Pros, partido de menor expressão em relação ao PDT, Roberto Cláudio teria maior dificuldade para se reeleger com o pouco tempo de televisão na propaganda eleitoral, espaço fundamental para defender a gestão e apresentar propostas para o segundo mandato.

À imprensa, RC tentou não falar sobre eleição municipal, negando que a candidatura à reeleição tenha sido a principal motivação para mais uma mudança de partido.

“Nenhuma circunstância local, casuísmo ou interesses pessoais poderiam se sobrepor à importância desse movimento que tem uma repercussão nacional. As candidaturas municipais estão em curso. No momento certo iremos fazer esse debate municipal”, disse. A mudança do grupo para o trabalhismo também abre a possibilidade do aliado político, Ciro Gomes, se candidatar à presidência da República em 2018.

A presença do presidente nacional da legenda, Carlos Lupi, alimentou a possível projeção nacional do ex-ministro. “O Brasil está cansado dessa polarização. Cid e Ciro Gomes podem ser uma novidade na forma de pensar o País”, afirmou.

O governador Camilo Santana, que esteve também no ato de filiação de Ciro Gomes em Brasília, enalteceu a figura do ex-governador reconhecendo, inclusive, seu papel de “liderança” no Brasil. “O Ciro, nesse momento de muita dificuldade que passa o nosso País, tem um papel muito importante como líder, como pessoa respeitada”.

A presença de Camilo no evento que teve o prefeito Roberto Cláudio como estrela principal demonstra o tamanho da proximidade entre os dois, que pode se transformar em uma possível aliança para 2016. O único entrave seria a quase certa candidatura de seu partido, o PT, nas eleições do ano que vem.

Primeiro filiado do grupo, Ciro afirmou que sua chegada ao PDT reforça o trabalho do partido contra o que chamou de “movimentos golpistas” da oposição ao governo da presidente Dilma Rousseff (PT).

“A nossa ideia é proteger a democracia da escalada golpista e, no mesmo passo, pressionar para que o governo volte se reconciliar com os valores e com os grupos sociais que lhe deram a eleição”.

Eleições municipais

O ex-governador Cid Gomes, que compareceu ao evento e ainda não assinou a ficha de filiação, afirmou que vai ajudar a construir o partido no Estado. Segundo ele, a legenda terá pelo menos 150 candidaturas dos 184 municípios cearenses no pleito do ano que vem.

“No restante dos municípios do Interior, nós vamos fazer alianças com os partidos que estão conosco. Mas vamos procurar disputar o maior número de prefeituras possível”, afirmou.

No dia 19 de outubro, visando a eleição municipal de 2016, será feito um ato de filiação de lideranças femininas organizada pela vice-governadora Izolda Cela.

“Nenhuma circunstância local, casuísmo ou interesses pessoais poderiam se sobrepor à importância desse movimento que tem uma repercussão nacional”

Roberto Cláudio, prefeito de Fortaleza

“O Brasil está cansado dessa polarização. Cid e Ciro Gomes podem ser uma novidade na forma de pensar o País”

Carlos Lupi, presidente nacional do PDT

“Ciro tem um um papel muito importante no Brasil como líder, como pessoa respeitada”
Camilo Santana (PT), governador do Ceará.

O governador Camilo Santana foi o único petista de expressão visto no evento que teve RC como estrela principal.

Bastidores

O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, garantiu no evento que o partido deverá permanecer apoiando a gestão do PT na escala federal. A legenda havia ameaçado desembarcar da base de sustentação do governo da presidente Dilma Rousseff. No retorno da presidente dos Estados Unidos, a sigla deverá formalizar o comando do Ministério das Comunicações.

Cotado para assumir as Comunicações, o deputado André Figueiredo evitou comentar sobre a preferência do seu nome para assumir a pasta. “Só me pronuncio quando receber o convite formal”.

Nos últimos dias como ministro do Trabalho e Emprego, o pedetista Manoel Dias discursou e elogiou o ingresso do grupo à legenda.

O governador Camilo Santana foi a única grande expressão petista visto no evento.

Mesmo não se filiando ontem, vereadores da Capital e do interior, além de deputados estaduais e federais do Pros, participaram do evento.

O presidente da Câmara Municipal de Fortaleza, Salmito filho, se esquivou ao ser questionado se algum vereador do Pros deixaria de acompanhar o grupo. Conforme O POVO mostrou em outras edições, há vereadores inseguros quanto ao ingresso no PDT com receio de não conseguirem suas reeleições em 2016.

Fonte: O Povo