Ipu (CE): Salário de vereador deveria ser em torno de R$ 1.256,38

Ipuense avalia que o salário de um vereador em Ipu deveria ter por base a renda per capita da população ipuense.

União e Mobilização. Essas são as palavras de ordem para àqueles cidadãos que realmente desejam exercer a cidadania, lutar pelos seus direitos e por grandes mudanças políticas. Um lindo exemplo de exercício da cidadania, de união e de mobilização de um povo vem da pequena cidade de Santo Antonio da Platina, Estado do Paraná.

Uma pequena comerciante, despida de qualquer interesse meramente pessoal, ficou indignada com a falta de senso dos vereadores de Santo Antonio da Platina que resolveram aumentar os seus próprios salários. No dia seguinte à aprovação do projeto de lei, ela resolveu, pessoalmente, ir tomar satisfação com os edis no prédio da Câmara Municipal.

Na ocasião acabou discutindo com um dos insanos vereadores. O fato foi filmado por um morador que divulgou nas redes sociais e a história caiu na boca do povo. Esse fato foi suficiente para que a população da cidade se unisse em torno da causa e lotasse o auditório da Câmara Municipal para exigir que os vereadores voltassem atrás.

A mobilização deu tão certo que os vereadores, ao invés de aumentar, reduziram o salário de R$ 3.750,00 (três mil setecentos e cinqüenta reais) para R$ 970,00 (novecentos e setenta reais). O caso chamou minha atenção e passei a refletir sobre qual seria o subsídio mais razoável para um vereador em nossa cidade.

Depois de muito refletir e criar várias hipóteses, cheguei à conclusão de que o subsídio de um vereador em Ipu deveria ter por base a renda per capita da população ipuense. Dando continuidade a esse raciocínio, fiz uma breve pesquisa no site do IBGE (http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=230580) e verifiquei que a renda per capita (por cabeça) da população urbana ipuense gira em torno de R$ 1.256,38 (um mil, duzentos e cinqüenta e seis reais e trinta e oito centavos).

Deste modo, penso que, como representantes do povo, o subsídio dos vereadores de Ipu deveria ser igual à renda per capita da nossa população, só devendo ser reajustada à medida em que a renda per capita do cidadão ipuense também fosse aumentando.

Todavia, para que esse meu pensamento, solitário, se tornasse real seria necessário que a população ipuense se unisse e se mobilizasse, à semelhança do que aconteceu em Santo Antonio da Platina, e que tivesse a força e a coragem da comerciante Adriana Lemes de Oliveira, que assim definiu a força do povo de Santo Antonio da Platina: “O povo tem força e isso foi provado aqui. A gente não pode se acovardar, não pode. Tem que dar a cara para bater e lutar pelos nossos direitos, porque nós estamos em maioria. O povo é a maioria”.

Por fim, lamento que o nosso povo esteja dormindo em berço esplêndido e não acorde para a realidade que nos cerca. Mais uma vez as eleições se aproximam e “vejo o futuro repetir o passado”. Estamos mais preocupados em manter os privilégios de poucos, do que em lutar para garantir os direitos de todos. Acorda Ipu! “Chega de passar a mão na cabeça de quem nos sacaneia”.

Texto Autor: Marcos Ricardo R. M. Sampaio – Servidor Público Estadual, Graduado em Direito pela Faculdade Luciano Feijão, Pós-Graduando em Direito Público pelo Damásio Educacional. Via Ipu Notícias

Compartilhar