Transtorno bipolar, abordado em ‘A regra do jogo’, atinge até 15 milhões de brasileiros

De um extremo a outro, Nelita (Bárbara Paz), da novela “A regra do jogo” (TV Globo), transita entre períodos de euforia e outros de depressão. Assim como a personagem, cerca de 1,8 a 15 milhões de brasileiros sofrem de algum grau de transtorno bipolar, segundo estimativas da Associação Brasileira de Transtorno Bipolar (ABTB).

Quando mais cedo a doença for diagnosticada, melhor é a evolução do tratamento, que permite à pessoa levar a vida sem comprometimento dos relacionamentos pessoais e da profissão.

De acordo com o psiquiatra Rodrigo Pessanha de Castro, o transtorno bipolar se caracteriza pela alternância de fases de exaltação (conhecidas como mania) e de depressão, que podem ser intercaladas por períodos de normalidade. Aceleração do curso do pensamento e da linguagem, agitação psicomotora, desinibição e comportamentos socialmente inapropriados são sintomas da mania. Na depressão, há predominância de rebaixamento do humor, redução do ânimo e iniciativa e ideias recorrentes de autodesvalorização e ruína pessoal.

— São fases que duram bastante. O paciente não experimenta as duas sensações no mesmo dia, como se pensa popularmente — explica o médico, mestre em Psiquiatria pela UFRJ.

Segundo a psiquiatra Alexandrina Meleiro, da Associação Brasileira de Psiquiatria, pessoas com transtorno bipolar ficam em estado de depressão em 60% a 70% da vida. Se não tratadas, as fases podem durar de dois a seis meses.
Causas e sintomas

A origem do transtorno bipolar está ligada a fatores genéticos, traços da personalidade e fatores ambientais. Pessoas com personalidade borderline (que não toleram muito bem a frustração) têm mais risco. A fase de depressão costuma se instalar gradualmente.

A pessoa vai sentindo uma tristeza e um mal-estar que se ampliam devagar. Alguns pacientes apresentam a mania e a depressão no mesmo grau de intensidade (bipolar tipo 1). Outros podem ter quadros de euforia mais leves (bipolar tipo 2). O paciente é submetido à psicoterapia e remédios.

Fonte: Extra

Compartilhar