Quixadá (CE): Radialista diz ter escapado de agressão a pauladas

O radialista Jackson Oliveira, que atua também como editor de um site de notícias do Município de Quixadá, denunciou ter sido vítima de uma tentativa de agressão, em que conseguiu fugir. O caso teria ocorrido no sábado (26) e o Boletim de Ocorrência (B.O) foi registrado na última segunda-feira (29), na Delegacia Regional de Quixadá.

O profissional disse ao O POVO que estava em frente a casa de amigos, quando surgiram dois homens armados com pedaços de paus que o abordaram. Jackson afirmou que fez menção de estar armado e afugentou a dupla. A vítima disse estar preocupada em sair de casa após a situação e que procurou a delegacia.

A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou, por meio de nota, que a titular da Delegacia Regional de Quixadá, Ana Cláudia, confirmou que o radialista esteve na sede da Polícia e que vai ouvir algumas pessoas, que segundo o radialista, estariam envolvidas no caso. Jackson atua como editor do site há sete anos e tem um perfil de oposição a Prefeitura, por isso a vítima acredita ter sido vítima e um atentado motivado por divergências políticas.

“Durante esse tempo já sofri várias ameaças, todas relacionadas à política, mas não ao nível dessa útlima. Uma vez o site ficou fora do ar, pois mandaram invadir os arquivos, isso em 2010, e em 2011 um colaborador de Ibaretama foi agredido por um grupo político”, relembrou.

A chefe de gabinete de Quixadá, Aila Carneiro, disse ao O POVO que desconhecia a situação em que o radialista teria sido vítima. “É tão irrelevante que ainda não parei para ver. É que ele troca farpas, pois é da oposição. Mas se tiver acontecido mesmo foi de muito mau gosto”, relatou.

A chefe de gabinete ainda disse que a Prefeitura de Quixadá não iria se pronunciar sobre o ocorrido. O presidente do Sindicato dos Radialistas e Publicitários do Ceará, Adécio Maia, informou que a entidade ainda não foi comunicada oficialmente acerca do atentado, no entanto ele diz que o sindicato deve tomar as providências cabíveis.

Adécio faz um alerta para que os radialistas procurem a entidade em caso de ameaças ou atentado. “A gente pede que procurem o sindicato, pois é o órgão representativo”, comentou.

A reportagem procurou o Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), que disse ainda não ter sido notificado acerca do caso.

Quatro radialistas foram mortos neste ano no Ceará

No dia 21 do mês passado foi vítima o radialista e vereador José Targino dos Santos, o ‘Faceta’, que levou um tiro no peito após uma discussão política em um bar. O penúltimo último caso vitimou Gleydson Carvalho, que era apresentador de um programa político.

O caso aconteceu no dia 6 de agosto. A vítima apresentava o programa de rádio quando dois indivíduos invadiram o estúdio e efetuaram disparos contra o profissional.

Já Francisco Rodrigues de Lima, 62 anos, foi assassinado ao chegar à rádio FM Monter Mor, em Pacajus, Região Metropolitana de Fortaleza.

No mês de março, foi morto o repórter policial Patrício Oliveira, 39 anos, no município de Brejo Santo. O corpo da vítima foi encontrado com marcas de tiros em uma rua no Centro da cidade, após deixar a sede da rádio Sul Cearense AM, onde trabalhava.

Fonte: O Povo

Compartilhar