Chamado de 'Golpista', Temer diz que situação na Venezuela só será resolvida com 'eleições livres'

O presidente Michel Temer afirmou, em entrevista à Agência Efe, que espera por uma solução pacificadora para a crise na Venezuela e que ela só será resolvida com "eleições livres", mas advertiu que, se elas não acontecerem, o país perderá as "condições de convivência" no Mercosul. Ao menos 23 pessoas morreram desde o início da onda de protestos, há três semanas.

As declarações de Michel Temer tem gerado críticas entre os seus opositores, pois o mesmo Temer que defende eleições livres para a Venezuela é o mesmo que aceitou Eduardo Cunha chantagear Dilma Rousseff e o PT em busca de apoio no Conselho de Ética para não ser cassado.

O governo Michel Temer já recebeu protesto até mesmo do Papa Francisco que se recurou vir ao Brasil para as comemorações aos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil.

Francisco escreveu uma carta dura, direta, para bons entendedores, e para aqueles que apoiaram o Golpe em 2016. O Papa se refere por "solução fácil para crise", usada assim para manipular os brasileiros.

À Michel Temer que uniu-se a Aécio, Cunha, Bolsonaro e outros... punindo os mais pobres e retirando direito dos trabalhadores, o Papa explicou suas razões de não estar no Brasil: - "Não posso deixar de pensar em tantas pessoas, sobretudo nos mais pobres, que muitas vezes se veem completamente abandonados e costumam ser aqueles que pagam o preço mais amargo e dilacerante de algumas soluções fáceis e superficiais para crises que vão muito além da esfera meramente financeira", afirmou Francisco.
Compartilhar no G+