Marcelo Odebrecht afirma que Dilma e Graça Foster não sabiam sobre propina na Petrobrás

As declarações de Marcelo Odebrecht derrubam a mídia e opositores que tenta dizer que Dilma Rousseff "sabia" do esquema de corrupção na Petrobrás, pois na verdade, Dilma colocou Graça Foster na Petrobrás para descobrir os esquemas de corrupção e demitir diretores corruptos e cortar contratos mediante corrupção.

O empresário Marcelo Odebrecht afirmou ao Ministério Público que foi questionado sobre a propina em reunião com a então presidente Dilma Rousseff e então presidente da Petrobras, Graça Foster, em 2012. Os três teriam se encontrado em um hotel, na Zona Sul de São Paulo.

Segundo Odebrecht, Graça Foster havia telefonado perguntando se era verdade que a empresa estava pagando propina para o PMDB. Ela e a então presidente da República queriam saber quem eram os destinatários.

"Quando eu coloquei o assunto do PT, eu desarmei tanto ela quanto Graça, do ponto de vista que... eu desarmei. Desarmei, apesar de que eu não acho que as duas estavam envolvidas, não sabiam, na hora que eu coloquei, eu desarmei a questão. Como é que elas iam conduzir esse assunto, se o partido delas tava envolvido?", disse o Marcelo.

Só que as coisas não saíram como Marcelo pensava, tanto que ele narra uma briga com Graça Foster, pou causa de um relatório interno da Petrobras alertou o Ministério Público do Rio de Janeiro, que denunciou o diretor de contratos da Odebrecht, Marco Duran.

Marcelo Odebrecht afirma que trocou e-mails pesados com Graça Foster e depois se reuniu com a então presidente Dilma Roussef. Segundo ele, Dilma disse que ele e Graça teriam que se entender e então pediu que os ministros da Fazenda e da Justiça à época entrassem na conversa. "Vamos ver se Guido [Mantega, então ministro da Fazenda] e Zé Eduardo Cardozo [então ministro da Justiça] resolvem pra apoiar você nessa relação com Graça", disse Odebrecht, em referência ao pedido de Dilma.

O empresário declarou que levou o então diretor jurídico da Odebrecht, Maurício Ferro, para um encontro com Guido Mantega e José Eduardo Cardozo. "A discussão era pra resolver o problema da minha briga com Graça e de como ia resolver o problema do meu executivo. Não se falou da ilicitude do contrato."

"A gente tentou construir como é que eles me apoiariam com a carta da Graça pra aliviar o que tinha ido pro Ministério Público, pra aliviar a situação do meu executivo, que estava sendo processado no Ministério Público. Bom, esse assunto, por alguma ou outra razão, que essas coisas eu não me lembro, aí misturou Lava Jato, você entra, tudo, a história acabou não se resolvendo, o contrato foi renegociado, redução de escopo, a gente acabou tendo prejuízo, mas não se resolveu", disse Marcelo Odebrecht.

Marcelo Odebrecht afirma ainda que não sabe quem seriam os destinatários da propina, que não foi possível resolver esse impasse, que as faturas acabaram não sendo pagas e que o contrato foi reduzido de US$ 825 milhões para US$ 481 milhões. (veja no G1).

Assista ao vídeo e tire suas conclusões. Note que a Globo afirma que Dilma "sabia", mas Marcelo Odebrecht é claro em suas palavras afirmando que Dilma e Graça Foster "não sabiam". Em alguns trechos Marcelo afirma que Dilma estava "desconfiada" (ou seja, quem desconfia é porque não sabe) e afirma também que o PMDB e PT sabiam, mas Dilma "não sabia", elas apenas "desconfiava" e quis saber a verdade.


É interessante notar que mesmo depois de saber do esquema de propina, Dilma e Graça Foster não deixaram de tomar as providências, demitir diretores corruptos e cortas os contratos.
Compartilhar no G+