Grampos ilegais de Moro contra Dilma, Lula e familiares entram na pauta do CNJ

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ), presidido pela ministra Cármen Lúcia, colocou na pauta da sessão, da próxima terça-feira (30), um procedimento contra o juiz Sergio Moro, que questiona o vazamento, pelo magistrado, de conversa telefônica entre o ex-presidente Lula e seus familiares, informa a coluna Painel nesta quinta-feira (25).

Causou grande repercussão e indignação no meio jurídico a divulgação, por exemplo, de uma conversa entre a ex-primeira-dama Marisa Letícia e um de seus filhos, pois a conversa era familiar e não tinha nenhum interesse relacionado aos autos do processo.

Outro grampo polêmico foi entre Lula e a presidente deposta Dilma Rousseff. O diálogo foi gravado irregularmente, uma vez que o grampo aconteceu posteriormente à ordem de Moro para que as gravações parassem. Além disso, envolveu a presidente da República, que não pode ser gravado sem autorização do Supremo Tribunal Federal (STF), mesmo que seja ou não alvo de investigação.

O ministro Teori Zavascki, antigo relator da Lava Jato no STF, já havia condenado o vazamento e a gravação.
Compartilhar no G+