Lava Jato: Aécio pressionou diretor da PF para ter acesso a investigações

Ligação entre os dois foi obtida por um "grampo" colocado no celular do senador.

O presidente licenciado do PSDB e senador, Aécio Neves (MG), pressionou o diretor-geral da PF (Polícia Federal), Leandro Daiello Coimbra, ter acesso ao conteúdo das investigações da Operação Lava Jato. A conversa entre os dois foi interceptada por um grampo colocado no celular do tucano.

A ligação de Aécio para Daiello tem três minutos e 43 segundos e foi registrada no dia 26 de abril de 2017. No contato, o senador pede para se encontrar com o diretor da PF para acessar processos, autos e depoimentos de ação contra ele na Lava Jato.

Segundo o tucano, o delegado que cuida do caso "se negou a entregar a defesa a cópia do depoimento que ele já tinha colhido"

Aécio combinou recebimento de propina pessoalmente com dono da JBS

Após a solicitação do senador, Daiello confirma a possibilidade de encontro. Aécio então diz que quem iria se encontrar com ele seria seu advogado Alberto Zacharias Toron.

Depois de combinarem a reunião, Aécio pede uma conversa pessoal com Daiello para falarem a respeito da previdência. Eles confirmam o encontro para às 16h daquele dia no gabinete do diretor. “Tá todo mundo aqui lhe esperando”, finaliza Daiello.

Leia a íntegra do telefonema:

AÉCIO - Aló?

MNI - Dr. DAIELLO na linha. Tô passando.

LEANDRO DAIELLO - Alóoo?

AÉCIO - Dr. LEANDRO, tudo bem?

LEANDRO DAIELLO - Bom dia! Como está Senador?

AÉCIO - Você vai ter que mudar esse cafezinho nosso pra...

LEANDRO DAIELLO - Opa!!

AÉCIO - Você teve notícias de ontem? Tentei até lhe falar à note.

LEANDRO DAIELLO - Tô ouvindo. Tô ouvindo.

AÉCIO - Você teve notícias do que ocorreu ontem? ou não?

LEANDRO DAIELLO - Não.

AÉCIO - Depois você tinha que arranjar um horário de uns quinze minutos, pra... pra eu dizer lhe falar pessoalmente.

LEANDRO DAIELLO - Eu estou a sua disposição aqui.

AÉCIO - Uma hora que você... que eu pudesse dar um pulo ai. Pelo seguinte, contudo é.. é.. na verdade.... pela súmula 14 que faculta a defesa ao acesso, né? Ao processo, aos autos, aos depoimentos, o Delegado se negou a entregar a defesa, ontem, a cópia do depoimento que ele já tinha colhido, tá?

LEANDRO DAIELLO - Tá.

AÉCIO - Mas é uma coisa que afronta a lei, inclusive. Você essa súmula que determina que a defesa tenha acesso, né? Aos demais depoimentos, aos autos do processo, enfim... e o Toron que é o meu advogado que te conhece.

LEANDRO DAIELLO - Sim, conheço o Toron. É um bom advogado.

AÉCIO - Ele tá até ai. Ele tá indo ai no meu lugar, porque o que aconteceu. Como ele não quis nos dar acesso, uma coisa absolutamente absurda! Que mostra um pouco aquilo que já percebíamos. Nós fizemos uma reclamação no Supremo que obviamente concedeu o direito de que eu tenha acesso. ahhh.... aos demais depoimentos já colhidos.

LEANDRO DAIELLO - Tá.

AÉCIO - Já colhidos, que é natural que quando eu vá depor eu saiba, né? O que os outros já falaram. A coisa mais óbvia do mundo. E ele negou-se a isso, então... então o juiz relator éeeee.... pediu adiamento de pelo menos de quarenta e oito horas. Terminou que ele entregue a defesa os depoimentos já recolhidos, então isso ficou adiado. Eu quero fazer ainda nessa semana. Eu quero fazer até sexta-feira. Agora...

LEANDRO DAIELLO - Eu vou fazer o seguinte Senador. Dr. Toron tá vindo aqui?

AÉCIO - Deve tá chegando com o Dr. Alckmin ai agora. Já deve estar ai.

LEANDRO DAIELLO - Eu converso com eles aqui e já resolvo e ai a gente vê e já remarca, pode ser?

AÉCIO - Pode ... faça isso então! Localize ele ai.

LEANDRO DAIELLO - Então eu já... já vou.... O Dr. Toron já é membro desde São Paulo.

AÉCIO - É isso, ele me falou muito bem éeee.... do senhor lá, até por em razão do que está por vir ainda, entendeu? Depois... Depois me concede uma audiência para nós falarmos de previdência por uns vinte minutos... Veja ai com a sua agência.

LEANDRO DAIELLO - O senhor manda Senador. Só me fala o horário.

AÉCIO - Me fala o horário para que eu possa dar um pulo de vinte minutos ai.

LEANDRO DAIELLO - Eu não falo. O senhor só me diga o dia e horário e eu vou dar um jeito de lhe atender.

AÉCIO - Me atenda ai hoje no meio da tarde. Pode ser?

LEANDRO DAIELLO - No meio da tarde. O senhor só me liga e eu vou abrir a agenda e ficar o dia inteiro lhe esperando.

AÉCIO - Me fale.. me fale o horário ai que é quinze minutos sobre coisa da previdência. Que horário?

LEANDRO DAIELLO - A hora que o senhor quiser.

AÉCIO - Quatro horas, pode ser bom?

LEANDRO DAIELLO - Quatro horas tá combinado.

AÉCIO - Eu vou quatro no teu gabinete quatro hora hoje. Um grande abraço.

LEANDRO DAIELLO - Tá... tá todo mundo aqui lhe esperando. Abraço.

AÉCIO - Abraço.
Compartilhar no G+