Prostituição de venezuelanas avança com imigração em massa no Norte

MARCELO TOLEDO E DANILO VERPA - SÃO PAULO, SP, E BOA VISTA, RR (FOLHAPRESS) - Próximas a barracas que durante o dia comercializam variados tipos de farinha e goma de tapioca, dezenas de venezuelanas buscam seu sustento e o de suas famílias com a prostituição diária num bairro de Boa Vista.

A imigração em massa de venezuelanos ao Brasil desde 2016 levou dezenas delas à prostituição no entorno da chamada Feira do Passarão, no bairro Caimbé, principal ponto da atividade na capital de Roraima, e acendeu a luz amarela na Polícia Federal, que apura a exploração da prática no Estado.

Neste ano, duas pessoas já foram presas numa operação policial por exploração de uma venezuelana para fins sexuais, em Pacaraima, cidade fronteiriça com o país vizinho.

"A prostituição em si não é crime, estão procurando ganhar a vida. O que queremos saber é se há financiadores, aliciadores, por trás desse fenômeno. Está clara a situação [prostituição], mas temos de ver o que pode haver por trás", disse o delegado da PF Alan Robson Alexandrino Ramos.

A reportagem encontrou cerca de 150 prostitutas em bares e ruas próximas à feira que, com gestos com as mãos, tentam "garimpar" clientes a cada veículo que passa. O idioma predominante é o espanhol.

Duas garotas de programa disseram cobrar R$ 80 por programa - quase o salário médio mensal recebido no país vizinho, conforme relatos de estrangeiros que buscam refúgio no Brasil.

Em geral, afirmam ter como meta guardar dinheiro para buscar a família na Venezuela ou mandar recursos para que possam se manter.

O valor, no entanto, é negociável, dependendo da concorrência, do dia da semana e do horário. Há casos em que o preço chega a R$ 120. A qualquer hora elas estarão lá. Numa quarta, a reportagem contou 40 mulheres fazendo ponto às 11h.

O aumento da atividade no bairro desagradou moradores, que pedem providências, mas dizem saber ser difícil resolver a questão enquanto houver crise no país vizinho.

"Desvalorizou demais o bairro. Quando se fala em Caimbé, só se lembra agora das jovens que vêm aqui para se prostituir. Mas temos dó da situação", afirma o aposentado Joelmir Valença.

A preocupação da PF existe pelo fato de brasileiras já terem sido encontradas em situação de cárcere na Guiana, cuja fronteira fica a 125 km de Boa Vista, e pela operação que flagrou um caso de exploração em Pacaraima.

"Duas pessoas foram presas por explorarem uma venezuelana para fins sexuais. Ela trabalhava na prostituição, usava um quarto e pagava comissão ao dono do local. Além disso, trabalhava para pagar o chamado cozidão, a alimentação", disse o delegado. Os detidos, se condenados, podem ser punidos com até oito anos de prisão.

VIOLÊNCIA

Com o avanço da crise na Venezuela, os pedidos de refúgio protocolados em Roraima passaram de 9 em 2014 para 234 em 2015, 2.230 em 2016 e 3.000 apenas nos primeiros três meses deste ano.

Segundo o prefeito de Pacaraima, Juliano Torquato (PRB), o aumento da prostituição na cidade de 12 mil habitantes é uma das marcas da chegada em massa dos venezuelanos. Outra é a violência.

"A população cresceu muito e de uma forma muito rápida, o que gerou mais furtos e roubos, fora a prostituição e esse caso de tráfico de mulheres. Duas casas usadas para isso foram fechadas", disse.

A apuração da PF até aqui não encontrou casos de cárcere privado em Boa Vista.

"Há manutenção de casas de prostituição, com brasileiras e venezuelanas, e estamos investigando. Não foi encontrada situação de cárcere privado, com a pessoa sendo obrigada a se prostituir, mas, como elas estão muito vulneráveis, não se pode descartar isso. O que temos visto são pessoas com vulnerabilidade econômica que chegam e encontram na atividade uma forma de vida", disse Ramos.

Já uma operação feita pela Justiça em 2016 encontrou suspeita de cárcere privado de nove venezuelanas. Prostitutas, elas estavam numa casa trancada e a porta precisou ser arrombada. Todas estavam de forma legal no país. 


Fonte: Yahoo
Compartilhar no G+