Lula: "É preciso aperfeiçoar escolha de ministro do STF

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse considerar necessária uma reavaliação dos critérios de indicação para altos cargos no Poder Judiciário.

"Precisamos discutir com a sociedade um novo critério para indicar ministros da Suprema Corte. É extremamente importante que a gente aperfeiçoe o sistema democrático para não parecer que presidente tem influência sobre um ministro e outro. Acho que não tem", disse Lula em entrevista a uma rádio do Maranhão.

Declaração de Lula vem na esteira da decisão por parte do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que resultou na absolvição da chapa Dilma Rousseff – Michel Temer em um processo movido pelo PSDB por abuso de poder econômico. Lula destacou que durante seus tempo de mandato (2003-2010), ele indicou oito ministros ao Supremo Tribunal Federal (STF), sendo que três deles ainda fazem parte da Corte. "Como fui quem mais indicou (ministros) acho que tenho autoridade para dizer que precisamos aperfeiçoar o sistema de escolha na Suprema Corte", afirmou.

"Quando o ministro coloca a toga, ele vira uma figura independente. Um bom presidente da República não indica um ministro para servi-lo, mas para cumprir a constituição. O que não pode é entrar com 35 anos e ficar até os 75 em um cargo de ministro da Suprema Corte", ressaltou.

Durante a entrevista, Lula também criticou a atuação dos procuradores que compõe a força-tarefa da Operação Lava Jato. "Tenho criticado o comportamento dos procuradores da Lava Jato. Acho que eles estão depondo contra a imagem do Ministério Público e da Polícia Federal com comportamento pouco democrático. Eles acham que não precisam achar provas, apenas acusações", enfatizou.

Ele defendeu, ainda, a saída de Temer do poder. "Não posso pensar muito em 2018, porque tem procuradores que acham que estou antecipando o processo eleitoral. Eu gostaria que a gente aprovasse uma PEC para antecipar as eleições e não deixar o povo esperando até 2018. Mas, para isso, precisamos de uma PEC ou do impeachment do presidente Temer", destacou.
Compartilhar no G+