Moro condena Cabral a 14 anos de prisão

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB-RJ) foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a 14 anos e 2 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

O peemedebista foi acusado de receber pelo menos R$ 2,7 milhões em propina da Andrade Gutierrez, entre 2007 e 2011, referente as obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), da Petrobrás. Foi determinado regime fechado para o início de cumprimento da pena.

“Entre os crimes de corrupção e de lavagem, há concurso material, motivo pelo qual as penas somadas chegam a catorze anos e dois meses de reclusão, que reputo definitivas para Sergio de Oliveira Cabral Santos Filho”, decretou Moro.

O magistrado também acrescentou multa ao ex-governador. “Considerando a dimensão dos crimes e especialmente a capacidade econômica de Sérgio Cabral ilustrada pelo patrimônio declarado de quase R$ 3 milhões e, que considerando o examinado nesta sentença, certamente é maior, fixo o dia multa em cinco salários mínimos vigentes ao tempo do último fato delitivo (05/2014)”, disse Sérgio Moro sobre a multa destinada a Cabral.

Por falta de prova, a ex-primeira-dama Adriana de Lourdes Ancelmo foi absolvida dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Também foram condenados o ex-secretário do governo do peemedebista Wilson Carlos Cordeiro da Silva Carvalho ( 10 anos e 8 meses) de prisão e o sócio do ex-governador, Carlos Miranda (10 anos).
Compartilhar no G+