Temer aprova projeto de privatização da Eletrobras

O presidente Michel Temer se reuniu com seus ministros nesta segunda-feira (06), e deixou acertada a proposta que vai privatizar a Eletrobras, uma das maiores estatais do Brasil. 

Juntamente com seus ministros, o peemedebista enviará ao Congresso Nacional a proposta de privatização da Eletrobras através de um novo projeto de lei.

Tudo indica que o novo projeto de lei que contém a proposta de privatização da empresa chegará ao Congresso Nacional na quinta-feira (09) Fernando Coelho Filho, atual ministro de Minas e Energia, contou com exclusividade a site 'G1 Notícias' que pretende enviar o novo projeto de privatização no máximo até a próxima quinta-feira (09) para a Câmara.

Embora a fama que os políticos brasileiros levam de demorar muito tempo para votar por novos projetos de lei, a proposta da privatização da empresa de energia parece que vai acontecer em tempo recorde, pelo menos foi o que o atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia, do Democratas-RJ, garantiu. Rodrigo já se posicionou a favor do projeto de lei que privatizaria a empresa e promete não medir qualquer tipo de esforço para agilizar o máximo possível a votação.

Temer e seus aliados acertaram uma ajuda financeira para o São Francisco para dissolver a resistência da "bancada da Chesf".

A Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) é uma sociedade anônima que atua na geração e transmissão de energia, explorando a bacia hidrográfica do principal rio do nordeste, o Rio São Francisco, no Recife.

A Chesf foi criada durante o chamado Estado Novo, por Getúlio Vargas, mas com a forte reestruturação do setor de energia de 1960, acabou se tornando uma subsidiária da Eletrobras, vinculada ao Ministério de Minas e Energia.

Existe um grupo muito forte que defende que a 'chesf' não pode ser privatizada, pois isso seria o mesmo que vender o Rio São Francisco e o plano de Temer é 'acalmar' este grupo com uma verba que prevê a recuperação do rio por três décadas, o valor seria de R$ 350 milhões investidos logo na primeira metade do tempo.

O ministro Fernando Coelho Filho garante que a medida fará com que os consumidores paguem menos, mas o projeto de lei ainda revolta muitas pessoas.

O ministro de Minas e Energia foi categórico em dizer que ao final da venda os mais beneficiados serão os consumidores que pagarão bem menos, e que a medida aliviará os cofres públicos.

Na internet, várias pessoas têm mantido o debate acesso. Os grupos que apoiam a decisão de Michel Temer [VIDEO] dizem que o Brasil não tem dinheiro para manter um alto custo e que isso fará muito bem para o contribuinte final, já o grupo que é contra afirma que essa é uma forma de vender o país e que o rio São Francisco a partir da privatização não será mais dos nordestinos. #Privatização Eletrobrás

Fonte: BN
Compartilhar no G+