Aliados de Camilo disputam indicação para concorrer ao Senado em 2018

Diante do cenário de indefinições que cercam as articulações com vistas a eleição de 2018, incluindo a possível aliança informal entre o governador Camilo Santana (PT) e o senador Eunício Oliveira (PMDB), partidos da base aliada já antecipam, dia após dia, suas defesas em relação a chapa majoritária, sobretudo no que diz respeito a pretensão em lançar nomes ao Senado Federal.

Pelo andar da carruagem, a disputa não será menos acirrada do que em 2014, quando apenas uma vaga estava em disputa. Em 2018, com duas vagas ao Senado para compor sua chapa, além do cargo de vice, Camilo precisará ter jogo de cintura para atender aos desejos dos governistas, que estão de olho nos posicionamentos do governador.

Eunício

A reaproximação de Camilo com o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB), é acompanhada de perto pelos aliados. Publicamente, a ordem é não dar margem a preocupações, mas, nos bastidores, sempre que os dois aparecem lado a lado as especulações ganham espaço. Questionado sobre a possível aliança com o petista, Eunício minimiza e afirma que tem interesse em uma “aliança administrativa” e, portanto, só falará de eleições em 2018. Eleito em 2010, o peemedebista encerra o mandato no próximo ano.

“É uma aliança administrativa, o governador sempre tem colocado isso de forma bem clara”, disse. “O meu propósito é de usar a força da cadeira de presidente de um dos três poderes da República para ajudar o Ceará. Com isso o cearense pode contar comigo sempre. Sobre 2018, nós vamos conversar em 2018”, afirma o senador.

PDT

Enquanto isso, o PDT não esconde de ninguém que tem interesse de lançar nomes para as duas vagas. Seriam eles: o ex-governador Cid Gomes e o deputado federal André Figueiredo. O presidente nacional do partido, Carlos Lupi, sempre que questionado, ressalta a pretensão do partido. De passagem pelo Ceará recentemente, voltou a defende que PDT ocupe duas vagas para o senado na chapa de reeleição de Camilo. “Camilo é o nosso governador. Se depender de mim, o PDT terá dois senadores”, destacou Lupi, quando esteve em Fortaleza na semana passada.

PCdoB

O PCdoB, por sua vez, também já deixou claro ao governador suas pretensões em 2018. Inclusive, já apresentou o nome da deputada estadual Augusta Brito, como indicação da sigla para disputar o Senado na chapa de Camilo.

“Apresentamos o nome da [deputada] Augusta Brito. Ela é uma pessoa que tem experiência. Nossa ideia que a chapa, com a presença de mulheres, se fortalece. Todos que estão na coligação tem direito de reivindicar e a reivindicação do PCdoB é um lugar na chapa majoritária. O governador compreende isso”, disse Inácio Arruda, secretário estadual de Ciência e Tecnologia. E acrescentou: “consideramos que Camilo tem de conversar com todas as forças. Evidente que cada partido coloque suas propostas”.

PT

Mas não são apenas as pretensões externas que Camilo precisará solucionar. Afinal, a cúpula do PT também defende que a legenda deve disputar uma das vagas ao Senado. O assunto, inclusive, já foi definido pelos petistas. Ao jornal O Estado, o presidente De Assis Diniz informou que a resolução da sigla já foi apresentada ao governador Camilo Santana. Mas, segundo ele, o assunto será tratado posteriormente entre Camilo, a direção nacional e o ex-presidente Lula.

De Assis conta que já existe “destaque” ao nome de Nelson Martins, atual secretário da Casa Civil do Governo do Estado, por se tratar de “um dos melhores quadros que o partido tem”. Ele não descarta uma disputa interna, mas diz que “quando o PT unifica com votação seu posicionamento, todos se centralizaram”.

Fonte: Política com K Com informações do OE
Compartilhar no G+