Tianguá (CE): Polícia investiga a morte de adolescente

O jovem morreu após discussão familiar. Principal linha de investigação aponta para agressão física. Corpo não apresenta sinais de violência.

A morte do adolescente Gabryel Schneyder Ribeiro Magalhães, de 16 anos, em Tianguá, distante 336 km de Fortaleza, chocou familiares e amigos. O jovem morreu por volta das 18h30min da última quarta-feira, 20, após uma discussão em família, conforme a principal linha de investigação policial. Em publicação no Facebook, a avó do menino denunciou que o neto sofreu agressões físicas e psicológicas. A Polícia Civil apura se o menino teria morrido após ser agredido.

Gabryel chegou a ser socorrido, mas não resistiu

“É com pesar que anuncio a partida de meu amado Gabryel Magalhães. Meu companheiro de todas as horas, de coração grande, espírito sereno e só queria paz”, escreveu a avó, Aurelidia Ramos na rede social. “Não precisava de tantas agressões físicas e psicológicas. Morreu apanhando, até desmaiar. Meu coração está estraçalhado com tanta barbaridade”, ela disse.

Não precisava de tantas agressões físicas e psicológicas. Morreu apanhando, até desmaiar. Meu coração está estraçalhado"

Aurelidia Ramos, avó de Gabryel

O POVO chegou a contatar a avó do menino. Abalada, ela disse que, assim como outros familiares, prestou depoimento à Polícia e não estava disposta a falar com a reportagem.

A Polícia não deu informações sobre o que gerou a discussão ou se a morte do menino tem relação direta com o conflito familiar.

Conforme o delegado Vicente Aguiar, da Delegacia Regional de Tianguá, inquérito foi instaurado e diversas pessoas já foram ouvidas sobre o caso. “A linha principal (de investigação) é de que teve um conflito. Se ele veio a falecer em decorrência disso, não sabemos, mas estamos investigando”, disse.

Sem sinais de violência

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) afirmou que, conforme depoimentos prestados por parentes, o garoto se sentiu mal e chegou a ser socorrido em uma unidade de saúde, mas não resistiu. Gabryel não tinha sinais aparentes de violência.

Alunos, pais e professores do Liceu de Tianguá, onde Gabriel estudava, realizaram uma passeata em homenagem ao menino e contra a violência, na tarde de ontem. Manifestantes carregaram cartazes com dizeres como “paz, amor, justiça e liberdade”, além de mensagens contra preconceito e homofobia.

Em postagens sobre a passeata, moradores classificaram a morte do menino como revoltante e lamentável. Um dos comentários diz que Gabryel não viveu “sua verdade porque era demais para a sociedade”. Outra moradora pedia “paz e respeito”.

O corpo do adolescente foi levado à sede da Perícia Forense do Ceará (Pefoce) e passará por exames para indicar a causa da morte.

Fonte: O Povo
Compartilhar no G+