Brasil ganhou 5 milhões de carteiras assinadas com Dilma e perdeu 3 milhões com o golpe

Segundo a postagem do Blog do Ancelmo no O Globo, com informações do IDados com base no Caged.

Criar empregos é algo que o governo do PT entende muito bem, basta relembrar os números do governo Lula que sozinho criou mais empregos que os governos FHC, Itamar, Collor e Sarney juntos. (Veja Aqui em matéria do R7).

"A comparação com os governos anteriores é quase injusta. Fernando Henrique Cardoso criou 5.016.672 empregos em seus oito anos de mandato, uma média de 627 mil. Itamar Franco, que governou de 1993 a 1994, gerou 1.394.398 postos – média de 697 mil. José Sarney, em seus cinco anos como presidente, criou 3.994.437 empregos, marcando a segunda melhor média (998 mil) dos últimos 30 anos. Fernando Collor, por sua vez, deixou o governo com a extinção de mais de 2,2 milhões de postos de trabalho.

Os 14,7 milhões de empregos gerados nos oito anos do governo Lula até setembro deste ano, portanto, superam a soma dos empregos gerados nos governos FHC, Itamar, e Sarney, que juntos são 10,4 milhões em 15 anos. Isso sem contar com o fechamento de 2,2 milhões de vagas durante os três anos do governo Collor, o que daria um saldo de 8,2 milhões de empregos em 18 anos." (Fonte R7).

Retornando ao O Globo, "entre 2010 e 2014, o país teve um superávit de 5.454.632 empregos com carteira assinada." Ou seja, o Brasil, durante o governo Dilma Rousseff, ganhou mais empregos que durante os 8 anos do governo FHC do PSDB.

O Globo ainda mostra o desastre provocado pelo golpe. É o que informa O Globo ao afirmar que "com a chegada da crise (entenda golpe), o Brasil perdeu, só entre 2015 e 2016, quase três milhões de empregos. (1.625.551, em 2015, e 1.371.363, em 2016)."
Compartilhar no G+