FHC fecha os olhos aos roubos do PMDB e PSDB e diz que pobre tolera a corrupção

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) foi peça central do golpe de 2016, que derrubou a presidente honesta Dilma Rousseff e instalou em seu lugar uma organização criminosa, segundo a procuradoria-geral da República, liderada por Michel Temer.

FHC apoiou a quebra da democrático, que trouxe ao Brasil o governo mais impopular do mundo – com 97% de desaprovação, e que fez de Temer o político mais rejeitado na face da Terra.

Nem mesmo os grampos da JBS, as malas de dinheiro para Rodrigo Rocha Loures e para Aécio Neves, a apreensão de R$ 51 milhões de Geddel Vieira Lima e a nomeação de Carlos Marun (PMDB-MS), feita por Eduardo Cunha, da cadeia, para ser o articulador político do governo Temer fazem o ex-presidente FHC enxergar os erros da quadrilha mais corrupta do mundo que ele ajudou colocar no poder, tudo porque esse governo executa justamente ações apoiadas pelo PSDB: fim das garantias trabalhistas, entrega do pré-sal à empresas internacionais e o ataque contra os trabalhadores aposentados.

Na entrevista que concedeu aos jornalistas Alberto Bombig e Pedro Venceslau, FHC teve a cara de pau de dizer que os pobres brasileiros, com menor grau de instrução, toleram a corrupção.

"É curioso ver que em países como os nossos, com um nível educacional relativamente pouco desenvolvido, as pessoas têm muitas carências. Aqueles que dão às pessoas a sensação de que atenderam às suas carências ganham uma certa permissão para se desviar da ética. É pavoroso, mas é assim. É populismo. É a cultura que prevalece nesses países", disse ele.

Até parece que no governo FHC, o Brasil não se viu mergulha em um mar de corrupção e que não teve um Engavetador-Geral da República para deixar os crimes de corrupção escondidos em baixo do tapete.

FHC disse ainda que o Brasil não vai tremer se Lula, que lidera todas as pesquisas, for condenado pelo TRF-4. "Não acredito que a população vai tremer nas suas bases por causa disso. Não acho que o País vai tremer em função disso. É claro que existe também uma estratégia política do PT: a perseguição. Se o julgamento terminar em condenação, tem que aceitar", afirmou.

O Brasil treme nas bases é a cada crime cometido pela turma do PSDB que sempre gozam da complacência da justiça, pois políticos do PSDB não são presos, apesar de existir todo tipo de provas contra eles, como é o caso do senador Aécio Neves onde o ministro Luis Roberto Barroso disse que "há 650 mil presos no sistema penitenciário brasileiro. Poucos estão presos com tanta prova quanto há no caso de Aécio Neves", disse o ministro. "Não é um sentimento pessoal, político, não é populismo. É prova."

FHC, que durante o seu governo fez o povo brasileiro passar fome, não entende nada do populismo do Lula que acabou com a fome no Brasil.

FHC que criou 5.016.672 empregos em seus oito anos de mandato, uma média de 627 mil, não entende que o populismo de Lula vem dos quase 15 milhões de empregos gerados nos oito anos do governo Lula que super a soma dos empregos gerados nos governos FHC, Itamar, e Sarney, que juntos são 10,4 milhões em 15 anos, e se for descontados o fechamento de 2,2 milhões de vagas durante os três anos do governo Collor, o saldo de todos juntos seria de 8,2 milhões de empregos em 18 anos, contra os quase 15 milhões de Lula que se forem somados aos mais de 5 milhões de Dilma chegaria a um total de 20 milhões de empregos criados pelos governos do PT. (Fonte R7).

Mas de uma coisa boa o impopular FHC pode se orgulhar de ter feito ao Brasil: Ter entregar a faixa de presidente ao Lula, o mais política mais popular do mundo e da nossa história. Essa foi a única coisa boa que FHC fez pelo Brasil.
Compartilhar no G+