Morando em Angra dos Reis, vendedora de açaí foi Chefe de Gabinete de Bolsonaro

Pego de surpresa, nesta quinta-feita (11), o deputado Jair Bolsonaro falou com os jornalistas da Folha de São Paulo que encontraram o presidenciável na porta de sua casa de veraneio em Angra dos Reis, durante apuração sobre servidora lotada em seu gabinete em Brasília.

Questionado pelos jornalistas Camila Mattoso e Italo Nogueira, ambos da Folha de SP, se a senhora Walderice (servidora da Câmara) e o senhor Denilson (esposo dela) eram funcionários da casa (caseiros), Bolsonaro que estava ao lado de Denilson negou de imediato.

"Não são funcionários, a Wal raramente entra aqui, é esposa dele. Não queira forçar uma barra..., respondeu o deputado, disse."

Questionado qual seria a função da servidora Wal, o deputado respondeu que "ela faz o que qualquer comissionado faz. Qualquer problema da região ela entra em contato com o chefe de gabinete, tenho 15 funcionários no Estado do Rio de Janeiro, informou."

Sobre que tipo de problemas que Wal, uma simples vendedora de açaí resolveria na região, Bolsonaro disse que a funcionária era responsável por tratar de assuntos complexos, junto à políticos, como o próprio prefeito da cidade.

"Uma carência da prefeitura, para que um parlamentar possa apresentar uma emenda pra cá. O prefeito, atualmente, me dou muito bem com ele, justificou."

Mas qualquer pessoal sabe que prefeitos quando necessita falar com um deputado não procura servidores do mesmo e sim direitamente o parlamentar.

Bolsonaro está cada vez mais enrolado em suas tentativas de justificativas.

O que Bolsonaro não sabia era que os jornalistas estavam muito bem informados sobre a servidora Wal. Os jornalistas perguntaram se teve algum período em que a simples vendedora de açaí, mesmo morando em Angra dos Reis, foi "chefe de gabinete" em Brasília?

Bolsonaro negou de pronto: "Negativo."

Mas os jornalistas contestaram rapidamente: "Teve sim, em 2011 e 2012."

Atônico, Bolsonaro continuou em busca de justificativas. "Chefe de gabinete? É comissionado, lá em Brasília, como é chefe de gabinete? O que acontece? De vez em quando o que acontece? Há um funcionário demitido, então aquela verba a gente destina por um funcionário por pouquíssimo tempo, é isso o que acontece. São pessoas paupérrimas aqui na região. Vocês querem criar um fato, não vão conseguir criar um fato."

Como é que alguém que mora em Angra dos Reis pode ser "chefe de gabinete" em Brasília? Bolsonaro não conseguiu explicar isso.

Os jornalistas questionaram mais uma vez: "O sr. fala que Wal fica aqui atendendo demandas da região".

O deputado respondeu: "Sim, mas não tem uma vida constante nisso. É o tempo todo na rua? Não, não, ela lê jornais, acompanha o que acontece, faz contato comigo, não tem nada a ver com a casa."

Mesmo o casal Wal e esposo tendo sido encontrados na casa de veraneio do parlamentar, Bolsonaro negou que eles fossem funcionários da casa, mas vários vizinhos que falaram com os jornalistas apontaram Wal e o esposo Denilson como sendo funcionários da casa de Bolsonaro.

Questionado por que não responde as 32 perguntas que a Folha de SP enviou sobre patrimônio da família, Bolsonaro partiu para o ataque.

"Eu tenho obrigação? É CPI agora? Pergunta ao vivo que eu te respondo. Eu tô gravando agora, para vocês pinçar o que interessa... eu sei a serviço de quem vocês estão, vocês estão a serviço de me desestabilizar. Esse é o trabalho, que não é teu. Porque você, com todo respeito, você merece respeito, mas os interesses da Folha estão acima do seu conhecimento. Para vocês interessa qualquer um presidente da República, menos Jair Bolsonaro. Afinal de contas, aquela mamata de vocês, de milhões ao longo do governo do PT, aquela mamata da Folha vai deixar de existir. Dinheiro não é para dar pra vocês da imprensa desinformar, publicar mentiras ou meias verdades, o dinheiro público é para anteder à população, não pra atender vocês, respondeu o parlamentar."

Todos sabem que os petistas sempre acusaram a Folha de perseguição e que o Grupo UOL favorecem aos tucanos do PSDB, mas Bolsonaro tentou tirar o foco, como sempre, colocando a culpa no PT.

Em recente vídeo, Bolsonaro compartilhou texto afirmando que o "Grupo UOL (Folha de SP) recebeu aporte de mais de R$ 225 milhões durante o governo petista". O texto diz ainda que, "coincidência ou não, o banco BTG Pactual (de André Esteves) tem 5,9% de ações do UOL". Mas o UOL esclareceu que recebeu um financiamento da Finep, agência pública que incentiva empresas que investem em inovação, não um aporte. O BTG tem participação acionária minoritária no UOL, mas nenhuma relação com a Empresa Folha da Manhã S.A., que edita a Folha.

Com informações da Folha de São Paulo
Compartilhar no G+