Reação à vacina da febre amarela causa 3 mortes em SP. E agora?

A vacinação traz um risco pequeno de efeitos colaterais graves, mas que pode subir ou cair segundo características suas. Quem deve tomar a injeção?

Em São Paulo, três pessoas morreram por reações adversas graves da vacina da febre amarela desde janeiro de 2017, informa último balanço da Secretaria de Estado da Saúde. Todos eram adultos com menos de 60 anos e sem registro de doenças prévias – e mais seis mortes estão sendo investigadas. Mas por que isso ocorre?

Após a aplicação do imunizante, sintomas leves como dores musculares, de cabeça e febre são relativamente comuns. Também é possível a ocorrência de vermelhidão, inchaço e calor no local da injeção.

Já o efeito colateral mais grave, que ocorreu com as mortes confirmadas em São Paulo, é a doença viscerotrópica aguda. Veja: a vacina contra a febre amarela é feita com o vírus atenuado (ele está vivo, mas bem fraquinho). Uma vez administrada, o organismo produz anticorpos que protegem contra a doença.

Contudo, em situações raras, o corpo não consegue conter a multiplicação do vírus inserido pela vacina. As consequências podem evoluir para insuficiência renal, hepática e cardíaca, problemas de coagulação, hepatite fulminante e morte. De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo, a literatura médica aponta uma morte para cada 450 mil doses aplicadas.

O risco de reações adversas graves, portanto, é mínimo. Mas, se a possibilidade de contato com a febre amarela é nulo, não há para que se vacinar. “Em locais urbanos, onde não há transmissão, não há motivo para expor a população a um risco desnecessário”, alerta a secretaria.

Já se o sujeito mora em uma área de risco ou pretende se deslocar para uma, aí a vacina entra em cena. Principalmente em momentos de comoção da população, evitar visitas desnecessárias a postos de saúde economiza tempo, paciência e doses da vacina para quem realmente precisa.

Fonte: Saúde - Abril
Compartilhar no G+