Pequenos açudes do Estado do Ceará já começam a sangrar

O Caldeirões, em Saboeiro, e o Cocó, em Fortaleza, estão com volume acima da capacidade. Reservatórios do Ceará estão com 7,2% do que podem comportar.

A paisagem, com o verde que salta aos olhos, encanta mesmo quem já está acostumado com a região e entrega que a chuva passou por ali. A vividez da cor que desponta também indica o que acompanha a mudança: devido às chuvas, o período é de ver os pequenos açudes começando a sangrar. Com volume observado de 127,8mm até ontem — o que já representa desvio de 7,8% acima da média do histórica de fevereiro (118,6mm) —, o Ceará tem dois reservatórios em que a água já escorre pela barragem. O Caldeirões, em Saboeiro, e o Cocó, em Fortaleza.

As informações são do calendário de chuvas da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). Dois açudes, apesar de não estarem com o volume acima da capacidade, estão com mais de 90% de abastecimento. São eles o Tucunduba, em Senador Sá, e o Germinal, em Palmácia. Os reservatórios estão com 98,53% e 99,44% da capacidade total, respectivamente. Outros 120 açudes estão com volume inferior a 30%, segundo monitoramento do Portal Hidrológico.

Sobre o assunto

Barragem transborda e causa transtornos no Cariri

Sessenta e seis dos 155 açudes monitorados pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) registraram aporte, de acordo com resenha diária do portal. Com 1,34 bilhão m³ de água armazenados, a reserva representa 7,2% da capacidade total do sistema de abastecimento do Estado.

A expectativa é de que, até o final da quadra chuvosa, em maio, os reservatórios do Ceará fiquem acima de 30% da capacidade total.

“No ano passado estávamos com 6,5% e este ano estamos com 7,2%. Ainda é necessário que a gente continue com todas as medidas de controle e uso racional”, alertou João Lúcio Farias, presidente da Cogerh.

Segundo prognóstico anunciado pela Funceme na última quinta-feira, 22, a previsão é de precipitações acima da média para o próximo trimestre da quadra chuvosa, que compreende os meses de março, abril e maio. São 45% de chances de as chuvas superarem o parâmetro considerado normal no Estado. O prognóstico aponta ainda 35% de possibilidade de precipitações dentro da normalidade e 20% de serem abaixo da média.

As previsões animam os moradores das proximidades do açude Germinal, em Palmácia.

“Daqui a alguns meses fica tudo certo. Daqui pra frente vai melhorar. As cisternas estão quase cheias”, confia o agricultor Antônio Fabiano Leite, 58. “Parece uma pintura quando cai água. E quando a gente olha dá pra ver a chuva chegando”, prenuncia a artesã Dalila Gomes, 20.

QUADRA

A previsão de chuvas acima da média é em maior concentração no Centro-Norte e no Litoral do Estado, e em nível menor na região Centro-Sul, onde estão os principais açudes

Fonte: O Povo



Compartilhar no G+