Santuário da Serra Grande ainda comemora centenário das aparições em Fátima

É cedo, e os fiéis começam a chegar. Aos poucos, o Santuário de Nossa Senhora de Fátima da Serra Grande, neste Município da Ibiapaba, Norte do Estado, vai dando espaço àqueles que vêm movidos pela fé para mais um período de orações, agradecimentos e união. Nos próximos dez dias, o Santuário, construído em um morro com vista privilegiada de parte da serra, recoberta pelo verde das chuvas dos últimos meses, estará de portas abertas para mais um ano de celebração do Centenário das Aparições de Fátima (1917 a 2017).

Os trabalhos foram iniciados com a Quinta da Misericórdia, missa presidida pelo reitor do Santuário, padre Antônio Irineu. De acordo com a Igreja Católica, a data foi marcada pelo encontro das crianças Lúcia, Francisco e Jacinta Marto, conhecidos como Os Três Pastorinhos, por afirmarem ter presenciado seis aparições de Nossa Senhora, no lugar chamado Cova da Íria, na cidade portuguesa de Fátima.

Maratona

As festividades em São Benedito, iniciadas nessa quinta-feira (3), se estenderão até o dia 13 de Maio, primeiro mês das aparições, com uma maratona de encontros e atividades religiosas. Com o tema "Tempo de Graça e Misericórdia: Dar Graças pelo Dom de Fátima", o público terá oportunidade de se confraternizar com orações e intercessões.

"Até o fim da celebração, no dia 13, quando também se comemora o Dia das Mães, lembrando os mais de cem anos das aparições da Virgem de Fátima, a programação terá, diariamente, celebração de missa, às 8 horas, o Santo Terço, às 18 horas, além de novenas e outras missas às 19 horas, com a participação de diferentes paróquias da Diocese de Tianguá, na Serra da Ibiapaba", reforça o reitor do Santuário, padre Antônio Martins Irineu.

Graça

Há um ano, a comerciante Maria de Lourdes Sousa, 57, sobe a Serra, neste período, para agradecer as graças que, segundo ela, foram alcançadas por intermédio da Santa, em um momento em que mergulhava em profunda tristeza.

Moradora de Sobral, a cerca de 90 quilômetros de distância da cidade das comemorações, ela se diz abençoada. "Eu vivi muitas atribulações na vida, moro sozinha, e estava sob uso de remédios, após a morte do meu marido, há dois anos. Passei muito tempo tentando preencher a falta dele em casa. Mas nada que fizesse parecia melhorar minha situação. A resposta às minhas orações veio quando visitava o Santuário, no ano passado, nas comemorações do Centenário de Fátima. Lá, me senti fortificada. Já estou me preparando para este ano. Viajarei para a casa de parentes, na Ibiapaba, onde vamos formar um grupo de visitação, como fizemos no ano passado. Quero renovar meus laços e agradecer", reforça. Com seus 5.200 metros quadrados de área construída pela Igreja Católica, com participação de doações dos seus fiéis, o Santuário, que teve suas obras iniciadas em 2005, é considerado um dos maiores centros de romaria do Nordeste, atraindo cerca de 15 mil visitantes em seus períodos festivos.

Turismo Religioso

Sob a reitoria do padre Antônio Martins Irineu, o lugar foi inserido nos roteiros do turismo religioso cearense. Por conta de sua localização estratégica, o importante ponto de romarias serve como parada a quem vem do Piauí e de cidades próximas, em busca de outros centros devoção no Ceará, a exemplo de Canindé e Juazeiro do Norte.

Além do templo principal, o complexo conta com duas capelas do Santíssimo; Capela da Misericórdia; Capela Mãe de Deus; Capela dos Pastorinhos; Sala dos Milagres; salas para confissão; duas sacristias; Capela do Batismo, além de um centro de apoio aos romeiros e um Centro de Pastoral.

Aparições

Era dia 13 de maio de 1917, em plena 1ª Guerra Mundial, quando Lúcia e os irmãos, Jacinta e Francisco, disseram ter recebido, pela primeira vez, a visita de Nossa Senhora, em um lugar conhecido como Cova de Iria, em Fátima, Portugal. A notícia atraiu, não apenas a atenção do povo, ávido por um milagre que mudasse os rumos de suas vidas naquele período de extrema dificuldade social e política que o mundo enfrentava, como também as forças de segurança local e a própria Igreja.

Ao longo daquele ano, mesmo com os conflitos gerados pelas aparições, os pastores relataram a ocorrência de seis encontros com a Virgem, que sempre se manifestava com intensa luz, emanando uma vibração de paz e harmonia.

Aparições se repetiram nos dias 13 de maio, junho, julho, setembro e outubro, tendo, no mês de agosto daquele ano, a aparição ocorrida no dia 19, dessa vez, no lugar dos "Valinhos", também pertencente à freguesia de Fátima.

Milagre

Para a última aparição, do dia 13 de outubro, correu uma informação entre as pessoas, de que um milagre seria realizado. Uma multidão se espremeu para acompanhar as crianças até o local. A história conta que um professor da Universidade de Coimbra disse que "a chuva parou, o céu se abriu, e o sol pareceu soltar-se do firmamento, girando sobre si num rodopio louco".

As três crianças, que ficaram conhecidas como pastorinhos, disseram ter visto, naquela ocasião, Jesus, Nossa Senhora e São José abençoando a multidão.

A antiga Cova da Iria serviu de base para o atual Santuário de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, local de peregrinação de pessoas de todas as partes do mundo. Sua magnitude e relevância, do ponto de vista religioso, é reconhecida, nacional e internacionalmente.

Período parecido

"Maria foi querida e assumida por Deus. E sua mensagem ao mundo, por meio daquelas três crianças, veio em um momento muito parecido com o que vivemos hoje, com nossos conflitos e a ameaças da guerra. Por isso devemos lembrar e reforçar esse pedido de mãe, que nos pede comunhão e oração", nos ensina padre Lucas do Nascimento, Pároco da Igreja de São José, em Sobral.

Fonte: Diário do Nordeste
Compartilhar no G+