Ataques a bancos deixam cidades do Ceará sem atendimento


Reabertura depende do interesse da iniciativa privada ou da União, diz o Sindicato dos Bancários do Ceará.

Só em 2018, 25 ataques a bancos foram contabilizados. Em 13, houve arrombamento de caixas eletrônicos. O mais recente, no último dia 4, aconteceu em Várzea Alegre, no Cariri. Bandidos utilizaram um maçarico para abrir o equipamento e levar dinheiro.

No ano passado, o número de ataques a bancos chegou a 65, sendo 43 arrombamentos. Em muitos casos, os danos provocados nas ações foram tão graves que as agências ainda não foram reabertas ou funcionam parcialmente, sem dinheiro e de maneira precária. Em alguns municípios, como Pedra Branca, o alvo da ação teve o serviço suspenso definitivamente.

Segundo o Sindicato dos Bancários do Ceará, a reabertura das agências depende do interesse da União (bancos públicos), ou da iniciativa privada, para manter o funcionamento.

No ano passado, em Missão Velha, no Cariri, as duas únicas agências da cidade foram explodidas durante um roubo. O Bradesco já foi reconstruído e funciona normalmente. O Banco do Brasil, por sua vez, ainda não foi reativado. Parte dos serviços deste banco, foi transferido para a Prefeitura de Juazeiro do Norte. Porém, pagamentos e recebimentos só podem ser feitos em outras cidades da região. Para sacar o dinheiro da aposentadoria, muitos idosos se deslocam para outras cidades da região.

Sem dinheiro circulando, os comerciantes reclamam da queda nas vendas, que reduziram mais de 70%, por conta da falta de clientes.

Fonte: CNEWS
Compartilhar no G+