PDT oficializa Ciro como candidato e convida ‘todas as forças políticas’


Em seu 1º discurso oficialmente como candidato à Presidência da República em 2018, Ciro Gomes (PDT) convidou nesta sexta-feira (20) “todas as forças políticas que têm compromisso com o Brasil” para compor sua campanha.

A oficialização da candidatura foi realizada na sede nacional do PDT, no 1º dia do período estabelecido pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para realização das convenções partidárias. As siglas têm até 5 de agosto de 2018 para oficializar suas chapas e alianças para o pleito de outubro.

Sobre a possível perda da aliança com o Centrão, Cid Gomes (PDT), irmão e coordenador da campanha de Ciro, diz que o foco é fechar coligações com partidos do grupo progressista. “O PSB por não ter candidato próprio sempre foi nossa prioridade”.

O diretório nacional do partido socialista se reúne no dia 30 de julho e já pode tomar uma posição. No entanto, a Convenção Nacional só vai acontecer no dia 5 de agosto, data limite estabelecida pele TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Representes de partidos do Centrão (DEM, PR, PRB, SD e PP) se reuniram nesta quinta-feira (19) em São Paulo e indicaram apoio a Geraldo Alckmin (PSDB). Mas a aliança ainda não foi oficializada. O bloco está dividido entre apoiar o tucano e o ex-governador do Ceará.

Antes do discurso oficial como candidato, Ciro falou para militantes do partido e disse estar do lado do trabalhador e da indústria brasileira. Afirmou também que “apátridas traidores estão destruindo a identidade nacional”.

Temperamento

Ao chegar ao evento, Cid Gomes disse que o irmão terá liberdade para continuar falando o que quiser. Sobre o episódio em que Ciro chamou o vereador de São Paulo e 1 dos líderes do MBL (Movimento Brasil Livre), Fernando Holiday, de “capitãozinho do mato”, disse que não se tratou de racismo e que as pessoas interpretaram errado.

Compareceram ao lançamento da candidatura a senadora Kátia Abreu (PDT), o pré-candidato a governador do Paraná, Osmar Dias (PDT) – irmão do pré-candidato a presidente Alvaro Dias (Podemos) – e políticos de outros partidos que fazem parte da base eleitoral de Ciro no Ceará, como o deputado federal Odorico Monteiro (PSB) e o vice-prefeito de Fortaleza Moroni Torgan (DEM). O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), não apareceu.

Fonte: Poder 360
Compartilhar no G+