Ibope: Bolsonaro, 27%; Haddad, 21%; Ciro, 12%; Alckmin, 8%; Marina, 6%

Resultado de imagem para IBOPE

Pesquisa foi encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Levantamento ouviu 2 mil eleitores no sábado (22), domingo (23) e segunda-feira (24).

Uma nova pesquisa Ibope de intenção de voto para presidente foi divulgada nesta quarta-feira (26). O levantamento foi encomendado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A pesquisa ouviu 2 mil eleitores em 126 municípios no sábado (22), domingo (23) e segunda-feira (24).

O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro, que é de 2 pontos, para mais ou para menos.

Os resultados foram os seguintes:

Jair Bolsonaro (PSL): 27% Fernando Haddad (PT): 21% Ciro Gomes (PDT): 12% Geraldo Alckmin (PSDB): 8% Marina Silva (Rede): 6% João Amoêdo (Novo): 3% Alvaro Dias (Podemos): 2% Henrique Meirelles (MDB): 2% Guilherme Boulos (PSOL): 1% Cabo Daciolo (Patriota): 0% Vera Lúcia (PSTU): 0% João Goulart Filho (PPL): 0% Eymael (DC): 0% Branco/nulos: 11% Não sabe/não respondeu: 7%

Pesquisa Ibope - 26 de setembro - Evolução da intenção de voto para presidente — Foto: Arte/G1 Pesquisa Ibope - 26 de setembro - Evolução da intenção de voto para presidente — Foto: Arte/G1 Pesquisa Ibope - 26 de setembro - Evolução da intenção de voto para presidente — Foto: Arte/G1

Em relação à pesquisa Ibope anterior (com entrevistas feitas no sábado, dia 22 e domingo, dia 23), a atual pesquisa (realizada no sábado, 22, domingo, 23 e segunda-feira, dia 24) mostra que:

Jair Bolsonaro passou de 28% para 27%; Fernando Haddad foi de 22% para 21%; Ciro Gomes passou de 11% para 12%; Geraldo Alckmin se manteve com 8%; Marina Silva foi de 5% para 6%; Os indecisos oscilaram de 6% para 7% e os brancos ou nulos, de 12% para 11%.

Todas as oscilações ocorreram dentro da margem de erro.

Rejeição

Os entrevistados responderam em qual candidato não votariam de jeito nenhum (nessa hipótese, o entrevistado pode responder mais de um nome; daí, a soma superar 100%). Os resultados foram:

Jair Bolsonaro: 44% Fernando Haddad: 27% Marina Silva: 27% Geraldo Alckmin: 19% Ciro Gomes: 16% Cabo Daciolo: 11% Henrique Meirelles: 11% Eymael: 10% Alvaro Dias: 9% Guilherme Boulos: 9% Vera Lúcia: 9% João Amoêdo: 8% João Goulart Filho: 7% Poderia votar em todos: 2% Não sabe/não respondeu: 7%

Pesquisa Ibope de candidatos a presidente - taxa de rejeição — Foto: Editoria de Arte / G1 Pesquisa Ibope de candidatos a presidente - taxa de rejeição — Foto: Editoria de Arte / G1 Pesquisa Ibope de candidatos a presidente - taxa de rejeição — Foto: Editoria de Arte / G1

Simulações de segundo turno

Haddad 42% x 38% Bolsonaro (branco/nulo: 16%; não sabe: 4%)

Ciro 44% x 35% Bolsonaro (branco/nulo: 17%; não sabe: 3%)

Alckmin 40% x 36% Bolsonaro (branco/nulo: 20%; não sabe: 3%)

Bolsonaro 40% x 38% Marina (branco/nulo: 19%; não sabe: 3%)

Voto útil

A pesquisa também mediu o chamado “voto útil”, questionando o entrevistado sobre a probabilidade de deixar de votar no candidato de sua preferência, para evitar que outro que não gosta vença.

Do total de eleitores, 14% responderam que essa probabilidade é muito alta; outros 14% disseram que essa probabilidade é alta; 18% que é média; 21% que é baixa; 27% que é muito baixa; e 6% dos entrevistados não souberam ou não responderam.

Entre os eleitores de cada candidato, essa probabilidade é a seguinte:

Jair Bolsonaro

10% muito alta; 12% alta; 17% média; 23% baixa; 35% muito baixa; 3% não sabe/não respondeu.

Fernando Haddad

17% muito alta; 14% alta; 17% média; 22% baixa; 24% muito baixa; 6% não sabe/não respondeu.

Ciro Gomes

21% muito alta; 14% alta; 19% média; 21% baixa; 20% muito baixa; 5% não sabe/não respondeu.

Geraldo Alckmin

14% muito alta; 22% alta; 20% média; 20% baixa; 19% muito baixa; 5% não sabe/não respondeu.

Marina Silva

8% muito alta; 20% alta; 23% média; 17% baixa; 27% muito baixa; 5% não sabe/não respondeu.

A pergunta foi feita para todos os entrevistados, mas a CNI divulgou somente os percentuais dos eleitores de candidatos com mais de 5% das intenções de voto.

Convicção

A pesquisa questionou os eleitores entrevistados sobre a convicção na escolha dos candidatos em quem pretendem votar.

Do total de entrevistados,

43% responderam que trata-se de uma “decisão definitiva, que não mudará de jeito nenhum” 18% disseram que é uma “decisão firme, mas que poderá mudar no decorrer da campanha” 18% responderam que é uma “escolha do atual momento, que durante a campanha poderá mudar” 17% disseram tratar-se de “apenas uma preferência inicial”; outros 5% não sabem ou não responderam.

Entre os eleitores de cada candidato, os percentuais são:

Jair Bolsonaro

55% decisão definitiva; 17% decisão firme; 13% escolha do atual momento; 12% preferência inicial; 3% não sabe/não respondeu.

Fernando Haddad

49% decisão definitiva; 17% decisão firme; 15% escolha do atual momento; 16% preferência inicial; 3% não sabe/não respondeu.

Ciro Gomes

31% decisão definitiva; 20% decisão firme; 23% escolha do atual momento; 19% preferência inicial; 6% não sabe/não respondeu.

Geraldo Alckmin

26% decisão definitiva; 20% decisão firme; 28% escolha do atual momento; 22% preferência inicial; 3% não sabe/não respondeu.

Marina Silva

22% decisão definitiva; 23% decisão firme; 23% escolha do atual momento; 30% preferência inicial; 3% não sabe/não respondeu.

A pergunta foi feita para todos os entrevistados, mas a CNI divulgou somente os percentuais dos eleitores de candidatos com mais de 5% das intenções de voto.

Expectativa do resultado

A pesquisa perguntou a cada entrevistado quem ele acha que será o próximo presidente, independentemente de sua intenção de voto. Os resultados foram os seguintes:

Jair Bolsonaro: 44% Fernando Haddad: 20% Ciro Gomes: 8% Geraldo Alckmin: 7% Marina Silva: 3% Alvaro Dias: 1% Henrique Meirelles: 1% Não sabe/não respondeu: 16%

Os demais candidatos foram mencionados por menos de 1% dos entrevistados

Avaliação do governo Temer

A pesquisa pediu aos entrevistados uma avaliação sobre o governo do presidente Michel Temer. Os resultados são os seguintes:

Ótimo/bom: 4% Regular: 12% Ruim/péssimo: 82% Não sabe/não respondeu: 2% Sobre a pesquisa Margem de erro: 2 pontos percentuais para mais ou para menos Entrevistados: 2 mil eleitores em 126 municípios Quando a pesquisa foi feita: 22, 23 e 24 de setembro Registro no TSE: BR-04669/2018 Nível de confiança: 95%

Contratante da pesquisa: Confederação Nacional da Indústria (CNI)

Fonte: G1
Compartilhar no G+