Santana do Acaraú (CE): Quatro testemunhas disseram ter visto prefeito matar ex-funcionário da prefeitura

Foto: (Reprodução/TV Verdes Mares)

Justiça decretou prisão temporária de 30 dias, prorrogáveis por igual período.

Quatro das 11 testemunhas ouvidas pela Polícia Civil do Ceará disseram ter visto o prefeito de Santana do Acaraú matar o ex-funcionário da Prefeitura da cidade e confirmaram que não houve nenhum tipo de discussão e nem agressão antes do crime. As informações são do titular da Companhia de Policiamento do Interior Norte, delegado Marcos Aurélio França.

Os moradores da cidade fazem uma passeata pela paz nesta tarde, seis dias após a morte do ex-funcionário.

Por se tratar de crime hediondo – homicídio duplamente qualificado – o prefeito Marcelo Arcanjo teve a prisão temporária decretada por um prazo de 30 dias, prorrogáveis por igual período. “Ao fugir, o prefeito se livrou da prisão em flagrante. Mas, devido à natureza do crime, conseguimos junto ao Tribunal de Justiça a decretação da prisão temporária. Ele já se encontra recolhido ao xadrez”.

O prefeito, que estava há seis dias foragido da polícia, se apresentou na manhã desta terça-feira (4), na sede da Companhia de Policiamento do Interior Norte, em Fortaleza. Em depoimento, ele assumiu a autoria do crime. “Ele falou que após ser demitido, em dezembro do ano passado, César Augusto teria passado a proferir críticas contra a sua administração, culminando ao atribuir à primeira-dama condutas de corrupção”, explica o delegado.

De acordo com o delegado, o prazo para a conclusão do inquérito termina nos últimos dias de setembro. Ao fim do inquérito, a autoridade policial, de acordo com o delegado Marcos Aurélio França, pode pedir a conversão da prisão temporária para preventiva, que não tem prazo estipulado. “Queremos concluir o inquérito com qualidade para dar elementos ao Ministério Público para oferecer a denúncia”, explica.

Crime

O crime ocorreu por volta das 18 horas de quinta-feira (29), na casa da vítima. De acordo com o delegado, o prefeito Marcelo Arcanjo disse no depoimento foi até a casa do ex-funcionário da prefeitura para conversar. “Ao chegar ao local, as pessoas da casa estavam jantando. A vítima se dirigiu ao corredor e colocou a mão no pescoço do prefeito para cumprimentá-lo. Marcelo Arcanjo sacou a arma e atirou uma única vez em César Augusto”.

O tiro entrou pelo tórax da vítima, de baixo para cima, e o projétil saiu pelo pescoço. De acordo com as testemunhas, não houve nenhuma briga ou ação que justificasse o crime. César Augusto do Nascimento teve morte imediata.

Fonte: G1
Compartilhar no G+