Cientistas brasileiros criam pomada contra picada letal de aranha

Resultado de imagem para aranha marrom

As pomadas já estão sendo testadas em seres humanos.

A aranha-marrom (Loxosceles) apesar de ser pequena pode causar um grande estrago quando pica alguém. Segundo o último dado disponível no Sistema de Informações de Agravos de Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde, cerca de 7 mil pessoas no Brasil foram picadas pelo animal em 2016.

Foi pensando nisso que pesquisadores do Instituto Butantan (IB) desenvolveram uma pomada à base de tetraciclina - substância conhecida e já usada como antibiótico - a fim de resolver esses problemas.

"Utilizamos em uma concentração abaixo da que seria microbicida, no entanto, ou seja, menor do que a necessária para ser considerado antibiótico. Mas a empregamos em uma dosagem capaz de interferir na atividade da esfingomielinase D, proteína que é o componente principal do veneno da aranha e que está envolvida no processo de inflamação e de destruição do tecido (necrose) e outros efeitos.", explicou a pesquisadora Denise Tambourgi, principal responsável pelo trabalho, em entrevista à BBC.

A picada da Loxosceles pode causar lesão cutânea (80% dos casos) e também pode provocar nos outros 20% dos casos efeitos sistêmicos, como hemólise (alteração, dissolução ou destruição dos glóbulos vermelhos do sangue), agregação plaquetária (que causa coágulos nos vasos sanguíneos, que dificultam ou impedem a circulação), inflamação e falência renal, que podem levar à morte.

Fonte: Minha Vida
Compartilhar no G+