Ex-funcionário de Flávio Bolsonaro passou 248 dias no exterior e recebia salário da Alerj

Flávio Bolsonaro, eleito senador do Rio Foto: Marcelo Régua / Agência O Globo

Tenente-coronel da PM é um dos que depositaram recursos para Queiroz

Outro ex-assessor parlamentar do deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL), o tenente-coronel da Polícia Militar do Rio Wellington Servulo Romano da Silva, de 48 anos, também é suspeito de irregularidades. Ele passou 248 dias fora do Brasil durante o período de um ano e quatro meses em que trabalhou para o filho do presidente eleito e, ainda assim, recebeu os salários e as gratificações.

De acordo com a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Servulo Romano da Silva não tirou licença no período em que trabalhou na Casa. As informações foram reveladas nesta quarta-feira em reportagem do Jornal Nacional.

O ex-assessor é um dos servidores que transferiram recursos para Fabrício de Queiroz, ex-motorista de Flávio que, segundo relatório do Coaf, teve movimentação atípica de R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e o mesmo mês de 2017. O documento aponta que Servulo fez uma transferência de R$ 1,5 mil para Queiroz.

As viagens do ex-assessor eram para Portugal. De acordo com a reportagem, em 24 de abril de 2015, Servulo deixou o país e ficou no exterior 44 dias. Nesse período, recebeu o salário de R$ 5,4 mil como funcionário da vice-liderança do PP, partido de Flávio à época. No mesmo ano, viajou outras quatro vezes para Portugal. Em 2015, totalizou 119 dias fora do Brasil. A última viagem daquele ano foi em 16 de dezembro e a volta aconteceu em 31 de janeiro de 2016.

Ainda de acordo com o Jornal Nacional, o ex-assessor fez outra viagem entre 9 de março e 8 de abril de 2016. Em 1º de abril, enquanto estava fora do país, Servulo foi dispensado do cargo na vice-liderança do PP. Em abril e maio, ele não aparece na folha de pagamento da Alerj. Em 18 de maio de 2016, o ex-assessor foi nomeado para trabalhar no gabinete de Flávio, mas dois dias depois embarcou de novo para Portugal, com destino a Lisboa.

Nessa viagem, foram mais 15 dias no exterior. Outro voo ocorreu em 15 de julho e foram mais 45 dias longe do Brasil. Servulo foi exonerado em 1º de setembro de 2016 e não voltou a trabalhar com Flávio.

Imóvel desocupado

Terça-feira, O GLOBO esteve no endereço de Servulo e apurou que o apartamento está vazio há cerca de dois anos. A reportagem conversou ainda com a mãe do ex-assessor, Nanci Silva. Ela disse que o filho havia se mudado para Portugal há aproximadamente dois anos, depois que a nora foi vítima de um sequestro. Na ocasião, Servulo não retornou aos contatos deixados pelo GLOBO.

Ao Jornal Nacional, Flávio Bolsonaro informou que não procede a informação de que Servulo morava em Portugal enquanto estava lotado no gabinete. Disse ainda que a família do ex-assessor tem cidadania portuguesa. Segundo ele, o depósito de R$ 1,5mil de Servulo a Queiroz é corriqueiro e pontual e que não pode ser cobrado por isso. Flávio ressaltou que não é investigado.

Fonte: O Globo
Compartilhar no G+