O que se sabe e o que não se sabe até agora sobre os ataques e as mortes em Milagres


O POVO Online responde o que a Polícia já revelou sobre o caso e quais perguntas estão sem resposta

Pelo menos 14 pessoas morreram na madrugada de terror registrada nesta sexta-feira, 7, em Milagres. Dos mortos, pelo menos oito seriam responsáveis por articular ataques a bancos no Município. A ideia da quadrilha era roubar duas agências bancárias da cidade. Contudo, agentes da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) foram informados da ação e tentaram contê-la. Em fuga, o bando ainda fez uma família refém. Na troca de tiros, vítimas foram mortas. Três homens estão presos, além de armas e carros terem sido apreendidos.

O POVO Online explica o que se sabe até agora sobre o caso e o que ainda não se sabe.

O que sabe até agora

Quem são as vítimas?

A informação oficial aponta que cinco pernambucanos da mesma família foram mortos: o empresário do ramo de informática João Batista Magalhães, seu filho, Vinícius de Souza Magalhães, de 14 anos, além de dois cunhados e um sobrinho do empreendedor.

Outros reféns com identificação confirmada são: Claudineide Campos de Souza Santos, 41, natural de São José do Belomonte (PE); Cícero Tenório dos Santos, 60, natural de Maceió (AL); e Gustavo Tenório dos Santos, 13 anos, natural Jabaquara (SP), mãe, pai e filho, respectivamente.

Francisca Edneide da Cruz Santos, 49, natural de Brejo Santo (CE).

De onde a família de pernambucanos vinha? Eles moravam em Serra Talhada, interior de Pernambuco, e estariam voltando para a cidade natal após buscarem parentes no Aeroporto de Juazeiro do Norte. O grupo foi abordado pelos criminosos na BR-116, quando seguiam na rodovia e encontraram o caminho interrompido por um caminhão atravessado na pista pelos criminosos.

Quem já foi preso?

SSPDS informa que até o momento, três suspeitos de integrar a quadrilha criminosa já foram presos. Diligências estão em andamento para localizar o restante do grupo. Segundo secretário da pasta, André Costa, o grupo agia em ações interestaduais.

O que já foi apreendido

Policiais apreenderam três armas de fogo, sendo três pistolas (calibres 9 mm, 380 e .40), uma espingarda calibre 12 e um revólver calibre 38; além de explosivos. Quatro veículos que estavam com os criminosos foram apreendidos: um Chevrolet S10, um VW Saveiro, um Chevrolet Corsa, um Mitsubishi L200 – este último roubado na cidade de Nossa Senhora do Socorro, na Região Metropolitana de Aracaju, no Sergipe. Outros dois carros, que foram roubados na BR 116, também foram recolhidos pelos policiais: um Chevrolet Celta e um Ford Ranger.

A Polícia sabia do ataque?

Secretário André Costa informou apenas que os agentes sabiam que haveria um ataque no sul do Estado.

Como foi a ação?

Até o momento, a informação confirmada é de que, a tentativa de assalto foi às agências do Banco do Brasil e Bradesco, ambas localizadas na rua Padre Mizael Gomes. A ação aconteceu por volta das 2h30min e, na fuga, o grupo criminoso roubou um caminhão, que foi usado para interditar a BR-116, no quilômetro 495, entre os municípios de Brejo Santo e Milagres.

Criminosos identificados

Entre os suspeitos de integrar a quadrilha que realizou as tentativas de ataque, dois foram identificados pela Perícia Forense em Juazeiro do Norte:

Mackson Junior Serafim da Silva, 26, natural de Capela (SE)

Lucas Torquato Loiola Reis, 18, natural de Delmiro Gouveia (AL)

Perguntas sem respostas

Quantas pessoas morreram?

De acordo com nota da SSPDS divulgada nesta noite, 14 pessoas foram mortas na ação, incluindo criminosos e reféns.

Qual a estratégia da Polícia?

O secretário da SSPDS não detalhou como foi a ação da Polícia. Ele também não revelou se os agentes sabiam que a cidade de Milagres seria alvo.

Por que a Polícia Rodoviária Federal (PRF) não sabia do ataque?

Informações divulgadas pelo titular da 5ª Delegacia da PRF, Gledstone Chaves, revelou que a ação das forças da segurança "não foram coordenadas". Segundo ele, equipes da PRF foram surpreendidas por policiais militares em diligências para combater o grupo que pretendia assaltar bancos na cidade. Sem ser avisada, a equipe direcionada para o local era de apenas dois policiais.

Redação O POVO Online
Compartilhar no G+