Mourão tenta legendar as falas polêmicas de Bolsonaro

Resultado de imagem para MOURÃO E BOLSONARO

O comentário desta sexta-feira (8) no clube do café, da Rádio Globo, abordou o esforço do vice-presidente, general Hamilton Mourão, em se desdobrar para legendar as falas do presidente Jair Bolsonaro. Mourão só não tem conseguido seu objetivo porque as polêmicas se avolumam com muita rapidez.

Na terça-feira (5), o presidente postou esse agora mundialmente famoso tuíte, em que mostra uma cena pornográfica como exemplo de depravação carnavalesca, estigmatizando a importante e bonita festa brasileira. Na quinta (7), o presidente voltou à carga e disse, de improviso, que democracia e liberdade só existem quando as Forças Armadas querem.

Os dois momentos de Bolsonaro na semana geraram manchetes dos portais e jornais não com notícia sobre o governo – uma ação efetiva de articulação política que é o que a sociedade espera – mas com declarações que desagradaram até eleitores do presidente e uma importante ala de apoio ao seu governo, os militares.

Essas declarações equivocadas aumentam a resistência à reforma da Previdência, especialmente porque as corporações começam agora a pressionar os parlamentares. Políticos experientes como o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, alertam para os riscos. Estas forças retrógradas e corporativistas estão se organizando e vão pesar cada vez mais na Câmara enquanto Bolsonaro vai desgastando seu capital político através dessas polêmicas.

O comentário também abordou a importância da maior expedição da Funai para contato com índios isolados dos últimos vinte anos, que foi noticiada pelo blog. A missão quer evitar conflitos entre os Korubo do Coari e os Matis, na Terra Indígena Vale do Javari, extremo oeste do Amazonas, que pode dizimar uma das etnias.

Além desses assuntos, foram destaque também as novas denúncias contra o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, sobre candidaturas laranjas, reforçando as irregularidades do PSL, e a vitória da Mangueira no Carnaval, outro fato político porque o samba-enredo homenageou as mulheres em geral, mas a ex-vereadora Marielle Franco em particular.

Fonte: G1
Compartilhar no G+