Capitão Wagner atua na Câmara já de olho em 2020


O deputado federal Capitão Wagner (Pros), hoje uma das principais figuras da oposição no Ceará, é também, até o momento, a aposta mais certa para a disputa pela Prefeitura de Fortaleza nas eleições do ano que vem. O parlamentar, que não esconde a ambição de administrar a Capital, já havia chegado ao segundo turno na eleição de 2016, quando recebeu 46,43% dos votos na disputa.

Apesar de hoje atuar longe de Fortaleza, com cargo na Câmara Federal, Wagner tem mantido a participação em ações locais na Capital, de olho no pleito de 2020 – a exemplo da comitiva de parlamentares, de que participou, que visitou no último mês de março comunidades atingidas pelos alagamentos em Fortaleza.

Tem destaque, também, o volume de matérias apresentadas pelo parlamentar na Câmara: foram 48 propostas desde que tomou posse. Considerando o intervalo entre 1º de fevereiro e 16 de abril (data da apresentação da última proposta entregue), trata-se de uma média de uma matéria legislativa a cada 1,5 dia. Apenas durante a primeira semana de trabalho na Casa Legislativa, foram apresentados 10 projetos.

“Temos projetos na área da segurança, na área de proteção ao consumidor, defesa de direitos dos cidadãos, então são muitas matérias e logicamente teremos que ter uma articulação uma boa para ter essas aprovações. Por conta disso, temos dialogado com diversos parlamentares e líderes, na expectativa de que possa concluir o mandato com matérias não só apresentadas, mas aprovadas, e que venham a ajudar a nação e repercutir a nível nacional e local”, declarou o deputado.

As propostas, que poderão cumprir papel importante no pleito de 2020, na hora de prestar contas com o eleitorado que o levou à Câmara, abordam principalmente o tema da segurança, pauta intimamente ligada ao perfil do parlamentar. Uma delas prevê a criação de um serviço telefônico para denúncias contra tráfico de drogas: o PL 482/2019, segundo ele, dá à população a oportunidade de contribuir com os trabalhos das forças de segurança pública na elucidação desse tipo de crime.

Nem todas as propostas, no entanto, tratam desse assunto, havendo matérias que abordam também temas como direito do consumidor e serviços de bancos. O Projeto de Lei 487/19 torna obrigatória as inscrições “contém Glúten” ou “não contém Glúten” em todos os rótulos de produtos industrializados e de alimentos comercializados no País – a Lei 10.673/03, que a proposta visa alterar, atualmente prevê a obrigatoriedade das inscrições apenas em alimentos industrializados.

O Projeto de Lei Complementar 11/19, por sua vez, promove alterações na Lei da Reforma Bancária (4595/64) para reduzir as taxas de juros cobradas em operações de crédito. A finalidade é determinar a fixação, pelo Conselho Monetário Nacional, de um limite de cobrança de taxas de juros em operações de crédito para pessoas físicas de até no máximo o triplo daquela definida pelo Banco Central.

Girão

Aliado de Wagner, o senador Eduardo Girão (Pode) também tem trabalhado seu capital político em articulações locais, tendo reservado o fim de semana da semana anterior para mobilizar outros parlamentares cearenses contra a proposta pela liberação da venda de bebidas nos estádios, que tramita na Assembleia Legislativa. Girão, eleito pelo Pros de Wagner na eleição do ano passado, mudou de legenda este ano, migrando para o Podemos. A mudança, no entanto, foi realizada de acordo com o Capitão, que é dirigente estadual do Pros. À época, o deputado declarou enxergar a novidade como positiva: segundo ele, isso possibilitará uma articulação com maior alcance durante a campanha de 2020, levando em conta que assim terá aliados em um número maior de partidos.

Fonte: O ESTADO
Compartilhar no G+