Ceará ultrapassa metas de imunização de 10 tipos de vacina

População do Ceará vem se vacinando com maior frequência, passando de 2,29 milhões de doses aplicadas, em 2014, para 2,42 milhões, no ano passado. — Foto: Thiago Gadelha / Sistema Verdes Mares

Mesmo com bons resultados, órgãos de saúde defendem índices altos para prevenir o retorno de doenças já erradicadas, como o sarampo e a poliomielite.

Dez tipos diferentes de vacina alcançaram os níveis desejáveis de cobertura no Ceará. Nove ultrapassaram o nível de 100%, em 2018: BCG, rotavírus, meningocócica, hepatite B, pentavalente, pneumocócica, as primeiras doses da poliomielite e da tríplice viral e a tríplice bacteriana. Já neste ano, a meta de 90% de vacinação contra influenza para grupos prioritários também foi superada.

Os dados são do Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde. O sistema mostra que população do Estado vem se vacinando com maior frequência, passando de 2,29 milhões de doses aplicadas, em 2014, para 2,42 milhões, no ano passado. Os órgãos de saúde defendem índices altos para prevenir o retorno de doenças já erradicadas.

Novos casos de sarampo, por exemplo, voltaram a ser notícia no Brasil no ano passado, embora a última ocorrência do Ceará tenha sido registrada em julho de 2015, de acordo com a Secretaria Estadual da Saúde (Sesa). Referência no combate, o Estado ultrapassou a meta de 95% de vacinação contra a doença, entre 2008 e 2018.

Algumas vacinas ficaram próximas das metas, mas não as venceram, como a primeira dose da hepatite B para crianças (93%) e hepatite A (92%). Aquela contra a poliomielite, ameaça grave às crianças, teve cobertura vacinal reduzida em seu primeiro reforço, aplicado após o primeiro ano de vida: o índice de 100,6% da população vacinada, em 2014, caiu para 84,7%, no ano passado.

Estratégias

Outras vacinas aplicadas aos 15 meses também exigem atenção. O primeiro reforço da tríplice bacteriana (contra difteria, tétano e coqueluche), teve 76% de cobertura; já o da tetraviral (sarampo, caxumba, rubéola e catapora) teve 85,5%. O Ministério da Saúde lembra que as vacinas estão disponíveis nos postos durante todo o ano.

Daniele Queiroz, coordenadora de Vigilância em Saúde da Sesa, destaca que o Ceará é um dos Estados que ainda consegue atingir metas de cobertura vacinal em campanhas, dentro de um contexto nacional de dificuldades em ultrapassá-las. No entanto, algumas configurações sociais exigem novas estratégias para facilitar a regularização vacinal.

“Vemos uma nova estruturação do contexto familiar em que a mulher já está tão inserida ou mais que o homem no mercado de trabalho, então dificulta a ida da mãe ao posto de saúde. Também tivemos um incremento muito grande no número de vacinas, nos últimos anos; claro que isso é bom, mas acaba pedindo presença mais constante da família, pelo menos uma vez por mês, durante o primeiro ano de vida”, ressalta, lembrando que algumas unidades não têm horários alternativos que as famílias possam buscar.

Adolescentes e outros grupos

A vacinação é operacionalizada pelos municípios cearenses, mas tem monitoramento da Sesa, que também é responsável pela logística de distribuição das imunizações. Parcerias técnicas podem ser firmadas entre as duas esferas para a identificação de pontos críticos na cobertura. Um dos obstáculos no Estado ainda é a maior presença de adolescentes nos postos para vacinação contra o papiloma vírus humano (HPV) e o reforço contra a meningite.

“Naturalmente eles já não vão à unidade básica de saúde. Para esse público, temos que pensar estratégias diversas, como ir até as escolas. Os bebês de até um ano conseguimos acompanhar bem, mas depois fica mais complicado porque não têm mais consultas de puericultura. Quanto aos idosos, vamos a locais onde eles têm mais acesso, ou às residências dos acamados. Na realidade, não é fácil para nenhum grupo”, assevera Daniele.

A previsão do Ministério da Saúde é que, em agosto, ocorra uma campanha de vacinação com foco no combate ao sarampo, oportunidade que também chamará atenção para a atualização de caderneta de crianças e adolescentes.

Fonte: G1/CE
Compartilhar no G+