Prefeito de Uruburetama afastado por suspeita de abuso sexual está proibido de exercer a medicina por seis meses


O prefeito de Uruburetama e médico José Hilson de Paiva está proibido de exercer a medicina. A decisão do Conselho Regional de Medicina do Ceará (Cremec) divulgada em coletiva de imprensa na tarde desta terça-feira (16) foi tomada em reunião, na noite de ontem . A interdição cautelar das atividades médicas do ginecologista, será pelo período de seis meses, podendo ser prorrogada por outros seis meses, caso não haja julgamento no primeiro prazo estipulado pelo órgão.

De acordo com o Cremec um comunicado foi encaminhado ao Diário Oficial da União, e membros do conselho foram à Uruburutema notificar o médico. O órgão disse, ainda, que José Hilson não foi encontrado, mas que uma pessoa que estava em sua residência recebeu o documento, o que possibilitou o registro de entrega. A Promotoria Pública do município, bem como a Secretaria de Saúde também foram avisadas da decisão.

O Cremec informou que o médico tem direito a defesa e que um conselheiro foi nomeado para buscar provas do crime. O órgão estima que o processo pode levar até dois anos para chegar a uma decisão. O médico poderá ter seu registro profissional caçado no final da ação, sendo assim, impedido definitivamente de exercer a medicina.

As denuncias de abuso sexual praticadas pelo médico, nas cidades de Uruburetama e Cruz, foram divulgadas pelo programa Fantástico no último domingo (7). O ginecologista filmava alguns atos em consultas, sem que as pacientes soubessem. Pelo menos 17 mulheres foram assediadas nos registros feito em vídeo por José Hilson.

Afastamento político

O vice-prefeito da cidade de Uruburetama, Artur Wagner Vasconcelos Nery, assumiu na manhã desta terça-feira (16) o cargo de prefeito em cerimônia na Câmara dos vereadores.

Na noite da última segunda-feira (15) nove dos onze vereadores do município aprovaram o afastamento de José Hilson da gestão municipal.

Fonte: O ESTADO
Compartilhar no G+