Combate a incêndios em Parque Nacional no PA já dura 12 dias; Governo Federal diz que fogo já foi extinto


De acordo com o ICMBIO, o Parque dos Campos Ferruginosos registrou três incêndios sucessivos nos últimos dez dias. Dois já foram extinguidos e o fogo está controlado.

Chega ao 12º dia do trabalho de bombeiros civis e brigadistas no combate ao fogo no Parque Nacional dos Campos Ferruginosos, área de proteção ambiental no sudeste do Pará. O governo federal anunciou, na segunda-feira (26), que o fogo já foi extinto.

De acordo com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBIO), o parque registrou três incêndios sucessivos nos últimos dez dias. Dois deles foram encerrados e o último, que começou no sábado (24), ainda está sendo combatido. O fogo, no entanto, está controlado, segundo o ICMBIO.

Ainda não se sabe o tamanho da destruição. Imagens feitas com drones mostram uma extensa área desmatada no parque.> As queimadas têm repercutido internacionalmente, e o presidente Jair Bolsonaro autorizou o envio de tropas das Forças Armadas ao Pará e outros estados.

Desde o domingo (25), um centro de operações foi instalado no Comando Militar do Norte, em Belém, para planejar, executar e monitorar as ações para conter e evitar novos focos de incêndio e desmatamentos ilegais.

Militares das Forças Armadas foram enviados a Altamira nesta segunda-feira (26) para dar apoio às ações.

Os militares do 51º Batalhão de Infantaria de Selva devem ficar preparados, de sobreaviso, caso seja necessário o emprego da tropa nas áreas de queimadas. O local fica distante da sede do município. Ainda não foi definida uma data para o deslocamento para essas áreas.

Segundo o governo federal, o Parna Campos dos Ferruginosos é uma das regiões que recebeu a Força Nacional de Segurança Pública.

Queimadas

A Polícia Federal vai investigar uma série de queimadas registradas no estado do Pará. E uma reunião na sede do Comando Militar do Norte, em Belém, definiu o plano de ação contra queimadas no estado, em uma ação conjunta do Exército e Corpo de Bombeiros.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou que há "suspeita de ação orquestrada" em queimadas na Amazônia. "O que nós percebemos é que há sinais disso, há elementos que justificam a abertura de inquéritos para investigar e punir os infratores", acrescentou.

Fonte: G1
Compartilhar no G+