PF cumpre 15 mandados de prisão contra membros de facção responsável por ataques no Ceará

Ceará tem ônibus e carros incendiados em onda de ataque que ocorre desde o fim de semana — Foto: TV Verdes Mares/Reprodução

Os alvos são 15 integrantes de facção que ordenaram e executaram ataque a torres de transmissão de energia em abril deste ano, além das recentes ações criminosas no estado.

Polícia Federal cumpre, nesta quinta-feira (26), 15 mandados de prisão preventiva e outros 14 mandados de busca e apreensão contra chefes de facções criminosas que ordenaram e executaram ataques no Ceará.

Os alvos são responsáveis por atacar, em abril deste ano, torres de transmissão de energia elétrica, na Grande Fortaleza, e cometer as recentes ações criminosas na capital cearense contra veículos, prédios públicos e estabelecimentos comerciais.

A nova onda de violência no Ceará chega, nesta quinta-feira (26), ao 7º dia, com pelo menos 75 ocorrências. Foram registrados incêndios contra coletivos, prédios públicos e privados e veículos particulares desde 20 de setembro. A polícia já prendeu 63 suspeitos de envolvimento nos atentados.

Em outra série de atentados, ocorrida no início deste ano, três torres de transmissão de energia elétrica foram atacadas em Fortaleza e Maracanaú, na Região Metropolitana da capital, no dia 1º de abril. Criminosos acionaram artefatos explosivos nas proximidades dos equipamentos, mas não houve comprometimento das estruturas.

Ordens partiram de presídios, afirma PF

Além do Ceará, a operação da Polícia Federal também é realizada em Pernambuco, onde foi preso, na quarta-feira (25), um homem de 45 anos, natural de Umbuzeiro (PB), integrante e fundador da facção criminosa responsável pelos ataques.

De acordo com as investigações, as ações criminosas foram praticadas sob determinação de chefes de facção que cumprem pena em presídios. As ordens eram planejadas por eles e executadas por outros integrantes da mesma organização criminosa que se encontravam em liberdade.

Os investigados responderão pelos crimes de dano, incêndio, participação em organização criminosa, dentre outras infrações.

Além da Polícia Federal, participam da operação o Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO), do Ministério Público do Estado do Ceará, em conjunto com o Departamento Penitenciário Nacional e Secretaria de Segurança Pública do Ceará.

Rigor nos presídios gerou ataques Segundo o secretário de Segurança Pública, André Costa, a recente onda de violência é uma reação de detentos ao 'fim de regalias' nos presídios cearenses. Ao todo, 257 presos foram transferidos como "forma preventiva e tática" para combater os atentados. Dez chefes de facção envolvidos nos casos foram encaminhados de penitenciárias estaduais a presídios federais.

Em abril, as explosões nas torres de transmissão tiveram relação com os ataques registados entre os meses de janeiro e fevereiro no Ceará. Foram mais de 260 ações criminosas contra coletivos, prédios públicos, agências bancárias, viadutos e comércios, em pelo menos 50 dos 184 municípios cearenses.

Os ataques foram motivados pela nomeação do secretário de Administração Penitenciária do estado, Luís Mauro Albuquerque, pelo governador Camilo Santana, em janeiro. Albuquerque adotou medidas que aumentaram o rigor dentro dos presídios cearenses, como vistorias frequentes, retirada de tomadas das celas e suspensão de visitas íntimas.

Fonte: G1 Ceará
Compartilhar no G+