Vacinas contra sarampo, caxumba e rubéola estão em falta nos postos de saúde de Fortaleza


Usuários relatam dificuldade em encontrar a tríplice e a tetra viral há cerca de duas semanas; secretarias locais culpam Ministério da Saúde.

Pelo menos 15 bairros de todas as Regionais de Fortaleza enfrentam a falta das vacinas tríplice e tetra viral, que protegem contra sarampo, caxumba e rubéola. Em algumas unidades, as imunizações já são afetadas há duas semanas.

“Procurei em clínica particular, não tinha. Fui aos postos Paulo Marcelo, Dona Libânia, Carlos Ribeiro e um no Bairro Ellery, também não tinha. A funcionária de um deles me disse que não tem previsão até dezembro”, preocupa-se a auxiliar administrativa Thais Andrade, 36, que procura a tríplice viral para o filho Arthur, de 11 meses.

O G1 confirmou a ausência de estoque em postos de saúde dos seguintes bairros:

  • Rodolfo Teófilo 
  • Meireles Barra do Ceará
  • Messejana 
  • Jacarecanga 
  • Antônio Bezerra 
  • Autran Nunes 
  • Bom Jardim 
  • Conjunto Ceará 
  • Genibaú 
  • Parquelândia 
  • Parangaba 
  • Granja Lisboa 
  • Centro 
  • Ellery  
Além disso, foi informada da ausência em pelo menos quatro clínicas particulares 

O vigilante Francisco Vitor Santos, 34, também não conseguiu imunizar o filho de 1 ano e 4 meses. “Fomos nos postos Guarany e Dom Lustosa (ambos no bairro Granja Lisboa) e não deram nem previsão. Meu menino tem até outra vacina atrasada, que também tá faltando”, lamenta.

Repasse insuficiente

A Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) informou que as doses recebidas do Ministério da Saúde são repassadas a cada município, sendo atribuída à pasta o abastecimento nos postos.

A Secretaria Municipal de Saúde Fortaleza (SMS) afirmou que a responsabilidade sobre a escassez de imunizações é do Governo Federal, que tem repassado quantitativos insuficientes para a demanda.

A pasta declarou, ainda, que “a falta da matéria-prima para produção da vacina”, o que gera a falta de doses nos postos, “é uma questão nacional”, mas que a gestão municipal tem tentado contornar o problema, “redirecionando doses para postos com maior demanda”.

Já o Ministério da Saúde informou ao G1 que "foram compradas recentemente 47,4 milhões de doses da vacina tríplice viral, quantitativo atualmente disponível no mundo, para garantir a vacinação de 39 milhões de brasileiros". Outras "37 milhões de doses serão distribuídas aos estados até dezembro." A pasta, porém, não respondeu com precisão se os repasses ao Ceará estão irregulares.

Ainda segundo o Ministério da Saúde, o Ceará recebeu 80 mil doses da tetra viral em 2019, para “atender a vacinação de rotina”. Nada foi informado sobre a tríplice viral.

“A maior parte das doses para 2019 serão destinadas à Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo, que ocorrerá de forma seletiva e em duas etapas: de 7 a 25 de outubro, para crianças de seis meses a menores de 5 anos; e de 18 a 30 de novembro, com foco na população de 20 a 29 anos”, conclui a nota.

  • Fonte: G1
Compartilhar no G+