Nota do Enem é calculada por método 'antichute'; saiba como funciona o TRI

Enem é corrigido pela Teoria de Resposta ao Item (TRI) — Foto: G1

Dois candidatos com o mesmo número de acertos podem ter notas diferentes. Modelo matemático busca priorizar coerência no desempenho dos estudantes.

Maria e João acertaram, no primeiro dia de prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), 65 questões cada. No entanto, quando os resultados oficiais foram divulgados, eles se surpreenderam: as notas eram diferentes, apesar do mesmo número de respostas corretas. Isso acontece por causa do modelo matemático pelo qual o exame é corrigido: Teoria de Resposta ao Item (TRI).

Explicando de forma simplificada, é um método que busca priorizar a coerência no desempenho dos candidatos. Se alguém acerta as questões mais difíceis, mas erra aquelas consideradas fáceis, provavelmente "chutou" as respostas. Por isso, terá uma nota inferior à de um estudante que acertou as fáceis, mas errou as mais complexas.

"Diferentemente da teoria clássica, em que só é considerado o número de acertos, o TRI tenta descobrir quem está realmente preparado para a prova", explica Daniel Perry, diretor do Anglo Vestibulares. "O objetivo principal é identificar a consistência nas respostas e beneficiar quem estudou."

A prova é preparada com perguntas pré-classificadas como fáceis, médias e difíceis. "O esperado é que o candidato tenha um desempenho melhor nas mais simples. O TRI faz uma análise estatística, 'antichute', para calcular uma nota final que indique se houve coerência nas respostas", afirma João Pitoscio Filho, coordenador de química do Grupo Etapa.

O diretor do Anglo dá um exemplo didático: supondo que haja, no Enem, uma questão sobre quanto é 3 vezes 2. O candidato erra e responde 5, em vez de 6. Outra pergunta pede que o aluno calcule a área de retângulo cuja base meça 3 e a altura, 2. Ele responde corretamente: 6. Pelo TRI, mesmo acertando a pergunta mais difícil, faria menos pontos. Isso porque, se ele não conseguiu efetuar a multiplicação da primeira questão, não teria como saber a resposta da segunda. Ou seja: provavelmente, "chutou" a resposta.

Para que existe o TRI?

O TRI apresenta as seguintes vantagens em relação ao método clássico de correção:

ao detectar os famosos "chutes", ele premia o aluno que, de fato, se preparou para a prova;

possibilita a comparação entre candidatos que tenham feito diferentes edições do exame;

torna mais improvável que dois concorrentes tirem exatamente a mesma nota - já que o resultado final é divulgado com duas casas decimais (816,48 pontos, por exemplo).

Como se dar bem com o TRI?

Uma tática é começar pelas questões que pareçam mais fáceis para o candidato. "No início, ele vai estar mais descansado e poderá garantir o acerto dessas perguntas que demandam menos esforço. O risco de errar diminui. Depois, pode partir para as mais trabalhosas", sugere Pitoscio.

Mas é claro que cada um deve encontrar sua melhor forma de administrar o tempo da prova. O importante é entender que, ao "chutar" uma resposta, o aluno não perde pontos - apenas deixa de ganhá-los.

Fonte: G1
Compartilhar no G+