Redeterapia é utilizada para recuperar bebês prematuros no Hospital Regional Norte, em Sobral

A redeterapia é uma técnica usada em bebês para auxiliar na respiração que imita o útero — Foto: HRN/Divulgação

Unidade atende cerca de 55 municípios cearenses e é referência no estado em técnicas não invasivas para a recuperação de prematuros

O Hospital Regional Norte (HRN), em Sobral, atende cerca de 55 municípios cearenses e é referência no estado em técnicas não invasivas para a recuperação de prematuros. Uma delas é a redeterapia, usada com bebês com quadro clínico estável.

Rafaela e a mãe, a professora Jamile Lima, ainda experimentam os benefícios do tratamento feito na unidade. Após complicações durante a gravidez, Rafaela veio ao mundo prematuramente, no dia 9 de agosto deste ano.

Com 28 semanas incompletas de gestação e apenas 730 gramas, a pequena Rafaela figura no quadro de bebês prematuros extremos. Mãe e filha foram atendidas na Unidade Neonatal do HRN e ainda aguardam a tão esperada alta médica.

O HRN conta a Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (Utin), que atende prematuros em quadros clínicos mais complicados, além das unidades de Cuidado Intermediário Convencional (Ucinco), para pacientes com dificuldades na amamentação, por exemplo, e a de Cuidado Intermediário Neonatal Canguru (Ucinca), onde Rafaela e a mãe estão. A unidade acentua o ganho de peso das crianças prematuras saídas da Utin.

O Hospital Regional trabalha com foco nas ações conjuntas e em atividades terapêuticas. “O bebê ainda não consegue ficar muito do colo e na redinha ele fica mais aconchegado. A rede adequada ao seu tamanho faz com que ele se sinta abraçado e o nível de oxigênio melhora”, detalha a coordenadora do Serviço de Neonatologia, Cristiane Lemos.




"Cada graminha é uma conquista"

“Ela está com 1,524 Kg e a previsão é que a gente saia quando ela estiver com 1,800 kg. Cada graminha é uma conquista”, conta Jamile. No Projeto Canguru, o vínculo entre mãe e filha se tornam ainda mais forte, o que ajuda, também, na recuperação das duas. “Fico no quarto com outras mães e eu que dou banho, remédio, tudo com o acompanhamento dos médicos”, lembra.

Rafaela e Jamile passaram por todas as unidades de atendimento neonatal do Hospital Regional. Agora, com quadro bastante evoluído, mãe e filha estão quase prontas para ir para casa. “Aqui nós temos formações e por isso meu sentimento hoje é de segurança. A gente foi lutando e hoje está tudo bem. Eu vou pra casa já segura de como cuidar da minha filha”, conta Jamile.

Direito

É direito de pais e mães ter livre acesso ao recém-nascido quando necessário o internamento após o parto, mesmo que a criança dê entrada em Unidades de Terapia Neonatal Intensiva (UTI Neonatal).

Segundo o Ministério da Saúde, aproximadamente 10% dos bebês nascem antes do tempo no País, quadro que pode trazer complicações à saúde das crianças.

Além disso, segundo o Ministério da Saúde, o tratamento disponibilizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é obrigado a fornecer uma atenção humanizada não só ao recém-nascido, mas também a toda sua família.

Fonte: G1 Ceará
Compartilhar no G+