Candidata lactante leva filha recém-nascida para o Enem em Fortaleza

ENEM 2019 - DOMINGO (3) – FORTALEZA (CE) Gisele Carneiro, 20 anos, e a filha de dois meses indo fazer a prova do Enem no Ceará — Foto: Theyse Viana/Sistema Verdes Mares

Ela solicitou atendimento especial para poder fazer a prova e amamentar a sua bebê quando for necessário

A estudante Gisele Carneiro, de 20 anos, foi beneficiada com atendimento especial previsto no edital do do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Com uma filha recém-nascida, de apenas dois meses, ela pediu atendimento especial para poder fazer a prova e amamentar a sua bebê quando for necessário.

Gisele Carneiro fará a prova em uma sala normal, com outros candidatos, na Universidade Estadual do Ceará (Uece), enquanto sua filha ficará com um responsável em uma local reservado. Caso precise amamentar, ela será levada até o espaço em que sua fila se encontra.

A medida é assegurada pela Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002, a mães lactantes. Para ter acesso ao benefício, é necessário que a candidata solicite o atendimento especial e indique um responsável no momento da inscrição.

Gisele Carneiro disse que, com a bebê, fica mais difícil se prepara para o Enem e fazer a prova. No entanto, a medida ajuda.

"Pedi atendimento especial, porque eu ainda estou amamentando. Vai ser em sala especial, mas eu posso vê-la para amamentar. Eu espero que tudo dê certo", explica.

Essa será a quinta vez que a estudante fará a prova do Exame. Ela deseja cursa Educação Física.

Inscritos

Neste domingo (3), 5.095.308 inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) devem fazer as provas da primeira fase desta edição, em todo o país. No primeiro dia de prova, serão aplicadas as provas de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Ciências Humanas e suas Tecnologias e a Redação Dissertativa Argumentativa.

No Ceará, dos 294.994 candidatos inscritos, a maioria são mulheres, com 164.199 (55,7%) registros, têm de 21 a 30 anos (22,3%) e já concluiu o ensino médio (45,6%). O exame, principal forma de ingresso no ensino superior, apresentou uma redução de 10,48% no número de inscrições neste ano, frente aos 329.406 registros no estado, em 2018.

Fonte: G1 Ceará
Compartilhar no G+