Conmebol avalia adiar final da Libertadores para o dia 30 ou levá-la para Assunção

Nueva Olla, estádio do Cerro Porteño, pode ser palco da final da Libertadores — Foto: Guilherme Frossard

Confederação chama Flamengo, River, AFA e CBF para discutir opções a Santiago

Uma reunião às 14h30 desta terça-feira, na sede da Conmebol, no Paraguai, vai servir para definir a data e o local da final da Copa Libertadores, entre Flamengo e River Plate. Há grande possibilidade de mudanças na data (23 de novembro) e/ou no local (Santiago) inicialmente previstos. Os protestos que há três semanas sacodem o Chile preocupam os organizadores da partida. Na noite desta segunda-feira, fotos e vídeos com cenas violentas ocorridas no país andino circularam nos telefones celulares dos dirigentes da Conmebol.

Outros países foram analisados e, por ora, descartados, por motivos variados -- mas podem voltar à mesa durante ou depois da reunião desta terça-feira. Vai depender da reação dos clubes ao que a Conmebol apresentar.

Sim, a confederação recebeu ofertas para abrigar a final da Copa Libertadores fora do continente, como aconteceu no ano passado, quando Boca Juniors e River Plate decidiram o torneio em Madri. Mas ninguém na Conmebol leva a ideia a sério, justamente pelo trauma de 2018.

A Conmebol quer consenso. Por isso também chamou para a reunião os presidentes da CBF, Rogério Caboclo, e da AFA, Claudio Tapia. Os campeonatos nacionais de Brasil e Argentina seriam diretamente afetados por essa mudança de data.

Uma vez que se decida mudar data ou local da final, vários outros problemas naturalmente surgem:

A distribuição de ingressos será a mesma?

Como serão indenizados os torcedores que já compraram ingressos ou já pagaram por hospedagem e passagens para Santiago?

Como fica a logística dos times (quando chegam, onde treinam etc)?

Tudo isso será discutido nesta terça-feira no Paraguai. Ao mesmo tempo em que essa reunião se desenrola no Paraguai, os jogadores de futebol do Chile, a ANFP (Associação Chilena de Futebol) e autoridades do país andino vão avaliar a ideia de retomar a disputa do Campeonato Chileno, paralisado há três semanas.

+ Prefeito de Santiago diz que organizar a final da Libertadores depende de retomada do futebol local

Esse movimento será crucial para a decisão a ser tomada pela Conmebol e por Flamengo e River Plate. O prefeito de Santiago deixou claro nesta segunda-feira que condiciona a realização da final da Libertadores dependia da retomada do futebol local.

Na semana passada, o Chile já havia emitido o primeiro sinal de que seria difícil organizar a final da Libertadores. Foi quando anunciou o cancelamento da COP-25 (Conferência Mundial do Clima da ONU) e a APEC (Cúpula da Cooperação Econônica Ásia-Pacífico).

Na ocasião, porém, a ministra de esportes do Chile, Cecília Perez, deu uma entrevista coletiva na qual anunciou que a partida ficaria em Santiago. Consultado pelo GloboEsporte.com nesta segunda-feira, o ministério do esporte chileno respondeu que mantinha o "compromisso" de receber a final da Copa Libertadores em 23 de novembro.

Fonte: GLOBOESPORTE.COM
Compartilhar no G+