Em 2019, RJ tem maior número de mortes por policiais desde o início da série histórica, diz ISP


Maior índice em um ano foi atingido mesmo ainda sem a contabilização dos casos de novembro e dezembro. Instituto de Segurança Pública (ISP) iniciou a série histórica em 1998.

O ano de 2019 no Rio já registra o maior número de mortos por policiais desde o início da série histórica, em 1998. Foram 1.546 até outubro.

A contagem oficial do Instituto de Segurança Pública (ISP) sequer considera ainda os meses de novembro e dezembro.

O número já é maior do que as 1.534 mortes dos doze meses do ano passado.

Até então, 2018 era o ano com maior número de mortos por policiais.

Os 3 anos com mais mortos por policiais:


  • 2019 - 1.546* 
  • 2018 - 1.534 
  • 2007 - 1.330 
* considerando somente os 10 primeiros meses do ano.

Mortes não diminuem violência, diz MP 


Um estudo do Ministério Público, divulgado no mês passado, afirma que o aumento do número de mortes em ações policiais não tem relação direta com a redução da criminalidade no estado.

A pesquisa diz que a letalidade policial não provoca queda no número de crimes.

Também em 2019 outro recorde já havia sido batido: julho foi o mês com o maior número de mortes por intervenção policial desde 1998, quando a estatística começou a ser contabilizada.

Como mostrou o Jornal Nacional no mês passado, a Defensoria Pública diz que as mortes precisam ser investigadas e as ações dos policiais devem seguir a lei.

“O que a lei determina, o que a lei orienta é a proteção da vida. Então, os casos de letalidade por policiais precisam ser aqueles casos absolutamente extremos, onde não há nenhuma outra alternativa”, afirmou o defensor público Pedro Strozenberg.

“Essa ideia de enfrentamento parece que é a solução do problema e parece que nós não aprendemos em 35 anos que isso não é suficiente", conclui.


 Terminologia 

Tecnicamente, as mortes em confrontos com a polícia são denominadas "morte por intervenção de agente do Estado", que ocorre durante a função policial. A denominação foi definida em portaria do Ministério da Segurança Pública no fim de 2018.

Anteriormente, no Rio, esse tipo de ocorrência era registrado como "auto de resistência", "homicídio decorrente de intervenção policial" e, no ano passado, chegou a ser chamado de "mortes por intervenção legal", termo que gerou polêmica.

Apesar das mudanças de nomenclatura, não houve mudança no método estatístico.

  • Fonte: G1
Compartilhar no G+