Há mais de 900 dias na fila de adoção, cearense escreve carta a futuro filho: 'sinto você mexer na minha alma'

A psicóloga Daniele Tavares está na fila de adoção. — Foto: Marília Camelo/Divulgação

Aos 44 anos, a psicóloga Daniele Tavares quer ser mãe-solo, e transformou o tempo de espera por uma criança em ativismo.

“Neném da mamãe, a saudade de você é imensa. Não sei se você é menino ou menina, se é um bebezinho ou se já tem um, dois ou três anos. Mamãe espera por você há 910 dias, e continuo sustentando o desejo de ser sua mãe e de que você finalmente possa nascer para mim.”

É dessa forma que a psicóloga Daniele Tavares, 44, inicia a carta ao “menino ou menina de zero a três anos de idade, de qualquer cor”, que ela aguarda desde junho 2017, quando entregou a documentação para iniciar o processo de adoção em Fortaleza e começou a se preparar para receber a criança. A espera, porém, segue indefinida.

Quando a vontade de ser mãe se firmou e não poderia ser concretizada biologicamente, a certeza sobre adotar e sobre a existência de uma criança no mundo que poderia ser sua também foi consolidada. Durante esse tempo de espera, Daniele procurou grupos de apoio, se tornou uma das voluntárias de uma organização da sociedade civil voltada à adoção, a Acalanto; e ajudou a fundar o Coletivo de Pais e Pretendentes à Adoção (Coppa).

“Logo entendi que teria que esperar e transformar em luta todos os sentimentos de indignação, ansiedade, saudade e dor da ausência de um filho que já é tão amado. E sigo na luta para que os prazos sejam cumpridos pela Justiça, que as crianças e adolescentes não fiquem esquecidos nas instituições de acolhimento e para que todas tenham direito a uma família”, pontua.

No Ceará, neste mês de dezembro, 790 pretendentes aguardam pela conclusão de um processo de adoção, de acordo com dados do Cadastro Nacional de Adoção (CNA). Do total, apenas 90 estão vinculados a um adotando, ou seja, estão em processo de adaptação e convivência. No total, 263 crianças e adolescentes estão cadastrados no CNA, dos quais 128 estão vinculados a adotantes.

“Eu posso esperar, mas cada dia de institucionalização na vida de uma criança, de um adolescente, deixa marcas em seu desenvolvimento”, lamenta Daniele.

Confira a carta na íntegra:

“Neném da mamãe,

A saudade de você é imensa.

Não sei se você é menino ou menina, se é um bebezinho ou se já tem um, dois ou três anos. Mamãe espera por você há 910 dias, e continuo sustentando o desejo de ser sua mãe e de que você finalmente possa nascer para mim.

Esse número de dias, neném, equivale a muitas noites de tempestades, dias de sol, noites de chuvas e manhãs de vento. O objetivo dessa passagem de tempo, pelos dias e noites, é chegar na manhã de primavera em que você vai florescer para mim, mesmo que seja verão.

Não se preocupe, pois a mamãe luta com todas as forças para que você e seus coleguinhas de instituição de acolhimento possam estar conosco, dormindo aconchegados em nossos colos.

Seu quarto está pronto, cheio de bichinhos de pelúcia que você ganhou de presente. A nossa casa está pintada. Espero que goste das cores. Você é tão amado por mim, neném, que não tem nem um dia desses 910 que passei sem conversar com você, sem contar uma história ou sem cantar. Eu bordei bichinhos para você, ficaram lindos! Eu desenhei a minha espera cheia amor por você.

Ontem choveu saudade de você e depois abriu um sol de amor.

A mamãe participou de um documentário e falou muito em você. Às vezes acho engraçado, porque imagino você na escola perguntando às outras crianças se elas têm um documentário sobre elas. Filho, precisamos ser amorosos com os coleguinhas.

Nestes 910 dias, a mamãe deu entrevistas, palestras, cantou para você em audiência pública, plantou corações de papel colorido para ver se colhia você, escreveu uma história infantil, sobre adoção, para narrar a você a minha espera de amor e luta para o nosso encontro. A cada momento em que falo de você, sinto você mexer na minha alma. Isso me fortalece e sigo esperando o nosso encontro.

Estamos no Natal, neném! Esse é o terceiro Natal em que a mamãe passa te esperando. Sonhei que estaríamos juntos neste, mas ainda não foi neste ano. Fui conversar com o Papai Noel e pedi a ele de presente a vinda de você e de seus coleguinhas para nós. As suas famílias estão aqui na fila de espera por vocês. Pedi a Noel para tocar o coração da Dona Justiça para que possa agilizar a vinda de vocês para nós. Noel anotou tudo, disse que você vai chegar e que está perto o nosso encontro. Neném, o Noel não mente. Fiquei feliz.

Mamãe está louca para te contar histórias!!!!! Você tem vários livrinhos.

Mamãe quer que você chegue para poder te ensinar repetidamente que: o sol sempre nasce no dia seguinte, não importa o que você tenha sentido na noite anterior; que o escuro é só o medo brincando de esconde-esconde, e que eu estarei aqui a velar o teu sono e a te proteger, noite após noite, até você não querer mais quando a mocidade chegar.

Mamãe adora cantar para você, principalmente “anunciando os teus sinais”. Nesse momento fico pensando no que você está fazendo. Está comendo? Dormindo? Batendo palminhas? Dançando? Está cantando?

Rezo todos os dias para que a proteção Divina, que nos guia nesse encontro, possa te proteger de todo mal, das doenças, das violências institucionais, dos abusos, da fome, do frio, da falta de colo, da falta de olhares significativos para você.

Rezo também para que eu sustente a luta que é manter o meu encantamento e doçura apesar de toda tristeza que é saber que você e seus coleguinhas não são tratados com a devida prioridade pela Dona Justiça, que insiste em mantê-los invisíveis. Mas não tema. Mamãe está chegando e pode dizer que os pais de seus coleguinhas também.

Quero que você saiba, neném, que para mim você não é invisível. Para mim, você é uma presença vivaz, alegre, que me põe no front, me coloca para falar, amplia a minha criatividade, potencializa a minha felicidade e beleza como há muito não sentia. Tudo isso por que o teu coração já está ligado ao meu só esperando o nosso encontro.

Mamãe te ama na Luz Divina!

Até breve,

Mamãe.”


Fonte: G1 Ceará
Compartilhar no G+