Prefeitura de SP diz que 12 pessoas foram hospitalizadas após tumulto em baile funk

Moradores protestam em Paraisópolis neste domingo (1º) — Foto: Jose Barbosa/Futura Press/Estadão Conteúdo

Inicialmente, foi divulgado que sete estavam internados; na noite de domingo apenas uma mulher permanecia no hospital, segundo a Secretaria de Saúde. Confusão durante ação policial deixou 9 mortos em Paraisópolis.

A Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo atualizou o total de hospitalizados após o tumulto que causou nove mortes no baile funk em Paraisópolis, Zona Sul da capital paulista, e aumentou o número de 7 para 12 pessoas. Na noite deste domingo (1°), uma mulher continuava internada.

As mortes na madrugada deste domingo ocorreram durante uma perseguição policial com tiros dentro da festa. Segundo a polícia, dois homens atiraram contra policiais e correram para dentro do baile funk, que tinha cerca de 5 mil pessoas, o que teria dado início à perseguição e à confusão.

Na noite de domingo, moradores protestaram na comunidade — a segunda maior de São Paulo e a quinta do país, com cerca de 100 mil habitantes. A manifestação reuniu parentes e amigos dos nove mortos pisoteados durante um baile funk.

Nesta madrugada, segundo informações do Hora 1, os quatro corpos que foram levados para o IML Central foram liberados, mas dois ainda permaneciam lá. Os demais corpos foram para o IML Sul.

O grupo carregou cartazes e gritou: "Justiça! Justiça!". Parte deles seguiu em caminhada até a Avenida Giovani Gronchi. A manifestação foi pacífica.

'Quantas vão ter que perder seus filhos?', diz mãe de adolescente morto A mãe de uma adolescente de 17 anos ferida com uma garrafa disse que a ação policial foi uma emboscada contra as pessoas que estavam no baile. A PM diz que criminosos provocaram.

Nesta segunda, a Polícia Civil começa a ouvir testemunhas. Serão ouvidos frequentadores do baile, parentes de vítimas e outros policiais que ajudaram a socorrer as vítimas

O que aconteceu

De acordo com a polícia, agentes do 16º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano (BPM/M) realizavam uma Operação Pancadão na comunidade quando foram alvo de tiros disparados por dois homens em uma motocicleta. A dupla teria fugido em direção ao baile funk ainda atirando, o que provocou tumulto entre os frequentadores do evento, que tinha cerca de 5 mil pessoas.

A jovem ferida durante a confusão descreveu o momento em que foi atingida. "Eu não sei o que aconteceu, só vi correria, e várias viaturas fecharam a gente. Minha amiga caiu, e eu abaixei pra ajudá-la", afirmou.

"Quando me levantei, um policial me deu uma garrafada na cabeça. Os policiais falaram que era para colocar a mão na cabeça."

Segundo a polícia, equipes da Força Tática, ao chegarem para apoiar a ação em Paraisópolis, levaram pedradas e garrafadas. Os policiais, então, teriam respondido com munições químicas para dispersão. Ainda de acordo com informações da polícia, alguém no meio da multidão disparou um tiro, e houve correria.

Durante a confusão, pessoas foram pisoteadas. Duas viaturas da PM foram depredadas. O delegado Emiliano da Silva Neto, do 89º DP, afirmou que todas as vítimas morreram pisoteadas e que ninguém foi vítima de disparos.

Repercussão

O governador João Doria (PSDB) lamentou as mortes e pediu "apuração rigorosa" do episódio. O Ouvidor das Polícias, Benedito Mariano, afirmou que "a PM precisa mudar protocolo".

A diretora-executiva do Instituto Sou da Paz, Carolina Ricardo, afirmou em entrevista à GloboNews que a polícia tem de prestar contas do que ocorreu "sem medo de assumir um erro caso tenha havido".

Vídeos que circularam nas redes sociais mostraram a ação da PM em Paraisópolis na madrugada deste domingo.

Pancadões

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, a Operação Pancadão tem sido periodicamente realizada em toda a capital "para garantir o direito de ir e vir do cidadão e impedir a perturbação do sossego, fiscalizando a emissão ruídos proveniente de veículos".

Os bailes funks em comunidades de São Paulo ocorrem de quinta-feira a domingo, até a madrugada, nas zonas Leste, Sul e Norte da capital paulista.




Dados de Paraisópolis

2ª maior favela de São Paulo e 5ª maior do Brasil

10 quilômetros quadrados de área

100 mil habitantes

21 mil domicílios

12 mil moradores analfabetos ou semianalfabetos

31% da população é composta por jovens de 15 a 29 anos, portanto mais vulneráveis à carência de emprego e oportunidades

42% das famílias têm mulheres como responsáveis

Renda média de 87% dos chefes de família é de até 3 salários mínimos

21% da população que tem emprego atua no comércio local Aproximadamente 10 mil comércios locais

Grande crescimento nos últimos anos

Grandes empresas ingressando no mercado local

12 escolas públicas (estaduais e municipais), uma Escola Técnica Estadual (Etec), um Centro Educacional Unificado (CEU), três unidades básicas de saúde (UBS) e uma unidade de Assistência Médica Ambulatorial (AMA)

Fonte: G1
Compartilhar no G+